Detido alegado homicida de homem em Chelas

O detido, com 20 anos, vai ser hoje presente no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa para realização de primeiro interrogatório judicial e aplicação de medida de coação.

Um homem foi detido no domingo depois de se apresentar voluntariamente às autoridades, que o procuravam por existirem "fortes indícios" de ter matado a tiro outro homem, na quinta-feira, em Chelas, Lisboa, anunciou esta segunda-feira a PJ.

O detido, com 20 anos, vai ser hoje presente no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa para realização de primeiro interrogatório judicial e aplicação de medida de coação.

O homicídio de um homem com 43 anos ocorreu num "bairro residencial" de Lisboa, "na sequência de uma altercação pessoal mantida entre familiares da vítima e do agressor", acrescentou a PJ.

A polícia indicou que o suspeito foi identificado na sequência das "diligências urgentes efetuadas" na madrugada de sexta-feira, nomeadamente "o exame ao local do crime e ao cadáver, bem como a recolha de suporte probatório de natureza testemunhal e documental", mas não foi "possível a sua localização imediata".

No domingo, "e no âmbito das diligências investigatórias ininterruptas, mantidas com o objetivo de localização do suspeito, veio este, após apresentação voluntária, a ser constituído arguido e detido fora de flagrante delito, em virtude de se encontrar fortemente indiciado pela autoria material dos crimes de homicídio e detenção e uso de arma proibida", acrescentou a PJ.

Na noite de quinta-feira, um homem morreu na zona de Chelas, em Lisboa, após ter sido baleado no peito, durante uma "desavença entre algumas pessoas", adiantou então à agência Lusa a PSP, acrescentando que o alerta foi dado cerca das 21:30.

De acordo com as forças policiais, o homem foi atingido com "um tiro no peito", acabando por chegar morto ao Hospital de São José.

Na altura, a PSP indicou que o principal suspeito se encontrava em fuga.

Além do homicídio, são imputados ao agora detido os crimes de detenção e uso de arma proibida.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG