Confinamento nos dias úteis sobe para 50,6% desde fecho das escolas

Empresa que monitoriza a mobilidade dos portugueses refere que "com o encerramento das escolas o confinamento nos dias úteis subiu para um valor médio de 50,6%" até 5 de fevereiro.

O confinamento nos dias úteis cresceu para um valor médio de 50,6% desde que encerraram as escolas a 22 de janeiro até ao dia 5 de fevereiro, segundo dados hoje divulgados pela Produtos e Serviços de Estatística (PSE).

"O processo deste segundo confinamento foi efetuado a dois tempos: de 15 a 21 de janeiro, e de 22 de janeiro até aos dias de hoje com o encerramento das escolas. Antes de o dia 15 o confinamento médio estava em 31.4%. Com o início das medidas a 15, o confinamento subiu para um valor médio de 41.9% até ao encerramento das escolas", revelou em comunicado a PSE.

A empresa tem monitorizado a mobilidade dos portugueses desde a declaração do primeiro estado de emergência, a 18 de março de 2020, realçou que "com o encerramento das escolas, o confinamento nos dias úteis subiu para um valor médio de 50.6% até à última sexta-feira (5 de fevereiro)".

Os indicadores mostram também que, tal como já tinha sido verificado no primeiro confinamento, em 2020, as sextas-feiras e segundas-feiras continuam a ser os dias de maior mobilidade dada a aproximação de fins de semana de restrições adicionais.

"Tal como em 2020, sempre que existem dias que antecedem períodos de maior restrição (recolher às 13:00 e inibição de circulação entre concelhos), os portugueses efetuam maiores deslocações e missões de abastecimento", apontou a PSE.

"A adesão ao confinamento nos dias úteis é muito menor"

De resto, a empresa sublinhou que há um "menor confinamento" nesta altura do que no primeiro confinamento do ano passado, vincando a "grande diferença entre fins de semana e dias úteis".

E acrescentou: "Para além do menor confinamento, há outras diferenças a registar entre o primeiro confinamento e este segundo confinamento de 2021. Em 2020, o confinamento foi antecipado voluntariamente e repentino. A adesão ao confinamento foi visível tanto em dias úteis como fins de semana e, em 2020, os valores de adesão mantiveram-se elevados até ao desconfinamento".

Porém, observando a evolução semanal do confinamento entre dias úteis e fins de semana a entidade salientou que há diferenças relevantes entre os dois confinamentos gerais.

"No caso do confinamento de 2021 vemos que: a diferença de confinamento entre fins de semana e dias úteis é muito mais elevada, a adesão ao confinamento nos dias úteis é muito menor, a adesão ao confinamento em dias úteis é igualmente menor, a adesão ao confinamento não foi um processo voluntário, antecipado e repentino como no primeiro confinamento", especificou a PSE.

Segundo a empresa, as principais medidas que inibiram a mobilidade entre outubro de 2020 e janeiro de 2021 foram o recolhimento às 13:00 aos fins de semana e a inibição de circulação entre concelhos também aos fins de semana.

"Estas medidas, tanto no último trimestre de 2020 como agora, tiveram três reflexos: reduzir a mobilidade ao fim de semana, aumentar a mobilidade nos dias úteis, provocar concentrações nas manhãs dos fins de semana (particularmente aos sábados)", assinalou.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2 316 812 mortos no mundo, resultantes de mais de 106 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 14 354 pessoas dos 767 919 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG