Bispos portugueses alertam para que vacinas não agravem discrepância entre pessoas e países

Alerta foi deixado pelo bispo José Ornelas, durante uma Assembleia Plenária que começou esta segunda-feira em Fátima.

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), José Ornelas, defendeu esta segunda-feira que as vacinas contra a covid-19 devem ser "fator de coesão" e não agravar a discrepância entre pessoas e países.

"Certamente que as vacinas, para além de todas as polémicas periféricas, representam um grande feito científico e uma esperança para uma normalização da vida social e económica. Mas é necessário que sejam um fator de coesão e real progresso e não venham agravar a discrepância entre pessoas e países com maior ou menor poder económico", disse o bispo José Ornelas.

O prelado falava na 200.ª Assembleia Plenária da CEP, que hoje começou em Fátima, no concelho de Ourém, de forma presencial e online.

Salientando que "a pandemia não terminou e todos os indicadores nacionais e internacionais mostram" que se tem "pela frente tempos difíceis", José Ornelas reconheceu que esta "expôs a vulnerabilidade dos que são económica e socialmente mais frágeis, entre os quais se contam os sem-abrigo, os desempregados e os imigrantes, mas, igualmente, setores empresariais e culturais".

"Mas também mostrou o esforço das instituições públicas e privadas para atender a quem precisa", declarou, destacando, de novo, "o papel dos que diretamente têm cuidado dos que foram afetados pela crise, não só nos hospitais e outros serviços públicos, mas também nas casas de família e nos lares de idosos, muitos dos quais são instituições da Igreja, bem como o precioso contributo das comunidades eclesiais na ajuda próxima a quem carece de bens essenciais à vida", assinalou, de acordo com o discurso enviado à comunicação social.

Observando que é a segunda vez consecutiva que a Assembleia Plenária decorre de forma semipresencial devido à pandemia, o presidente da CEP admitiu que a situação sanitária, embora deixe "vislumbrar perspetivas de melhoria da situação geral do país, continua a suscitar justificadas preocupações e a obrigar a medidas de contenção que permitam dar consistência a essas esperanças".

"Esta decisão é, aliás, consequente com a atitude adotada pela Igreja em Portugal desde o início da pandemia: permanecer como espaço promotor de responsabilidade, solidariedade e esperança, próxima dos mais atingidos por esta crise que atinge o mundo inteiro, em diálogo com as autoridades competentes", referiu.

Congratulando-se, de novo, com a deliberação do Tribunal Constitucional, que "considerou ferida de inconstitucionalidade a recente Lei da Assembleia da República sobre a eutanásia", o também bispo de Setúbal apela para que, do mesmo modo que se envidam "todos os esforços para vencer a crise e o sofrimento da covid-19, pode e deve colocar-se "igual solicitude de ciência, pessoas e meios, não para ajudar a pôr termo à vida, mas para a tornar possível, com a qualidade, afeto e dignidade em cada etapa da existência".

A 200.ª Assembleia Plenária termina na quinta-feira. Além da reflexão sobre a pandemia e eventuais novas orientações, os bispos vão falar sobre a Jornada Mundial da Juventude, em Lisboa, em 2023, e discutir, entre outros assuntos, os ministérios laicais, para incrementar a participação, sobretudo das mulheres, na vida da Igreja.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.937.355 mortos no mundo, resultantes de mais de 135,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.918 pessoas dos 827.765 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG