Aumentos nos refrigerantes, tabaco e museus

Refrigerantes e bebidas açucaradas são mais caros a partir desta quarta-feira, o tabaco aumenta 10 cêntimos e há uma atualização de preços dos bilhetes dos museus e monumentos do Norte

A partir de hoje ficam sujeitas a este imposto as bebidas não alcoólicas adicionadas de açúcar ou de outros edulcorantes, as bebidas com um teor alcoólico superior a 0,5% vol. e inferior ou igual a 1,2% vol. (como os vinhos de uvas frescas, os vermutes, a sidra e o hidromel). Também bebidas não alcoólicas como águas, incluindo as minerais e as gaseificadas, adicionadas de açúcar ou de outros edulcorantes ou aromatizadas passam a ser tributadas, sendo a receita consignada à sustentabilidade do Sistema Nacional de Saúde.

Uma garrafa de refrigerante vai ficar 15 cêntimos mais cara se tiver um teor de açúcar de até 80 gramas por litro e vai encarecer 30 cêntimos se o teor de açúcar for acima daquele valor, aumentos que já incluem o IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado).

Tabaco aumenta 10 cêntimos por causa do aumento do imposto e é reduzida para metade a tributação sobre os cigarros eletrónicos.

O Orçamento do Estado define que o imposto sobre os cigarros eletrónicos seja reduzido para metade, para 30 cêntimos por mililitro de líquido contendo nicotina.

Esta quarta entra em vigor a atualização de preços dos bilhetes dos museus e monumentos do Norte sob responsabilidade da Direção Regional da Cultura do Norte (DRCN).

No caso do Mosteiro de Vilar de Frades (Barcelos), os bilhetes duplicam de preço, passando de um para dois euros, enquanto a visita ao Mosteiro da Serra do Pilar que inclua a exposição "Património a Norte", a igreja e o zimbório fica mais cara um euro, passando o custo do bilhete para os quatro euros.

O ingresso para o Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro, em Felgueiras, distrito do Porto, sofre também uma alteração, passando a custar dois euros.

Mantêm-se inalterados os preços de entrada no Paço dos Duques (Guimarães, Braga), no Mosteiro de Santa Maria de Salzedas (Tarouca, Viseu), na Citânia de Santa Luzia (Viana do Castelo), no Santuário de Panóias (Vila Real), no Museu de Alberto Sampaio (Guimarães, Braga), no Museu de Lamego (Viseu) e no Museu dos Biscainhos (Braga), entre outros espaços dependentes da DRCN.

Nos bilhetes-circuitos, que têm validade de oito dias, o único que regista um aumento de preço é o que permite o acesso ao Museu de Alberto Sampaio e ao Paço dos Duques, em Guimarães, que passa de sete para oito euros.

Mais Notícias