Asteroide que matou dinossauros mergulhou a Terra na escuridão durante mais de um ano

O objetivo é perceber melhor as condições que levaram à extinção de mais de três quartos de todas as espécies que existiam na Terra no fim do Cretáceo

Como mudou o clima depois do impacto do asteroide que levou ao desaparecimento dos dinossauros? Novas simulações indicam que as enormes quantidades de pequenas partículas lançadas para a atmosfera terão impedido mais de 99% da luz solar de atingir a superfície da Terra durante meses, mergulhando o planeta na escuridão durante quase dois anos. Sem luz, a fotossíntese era impossível e as temperaturas médias globais caíram até 28 graus durante vários anos, contribuindo para a extinção em massa do Cretáceo-Paleogeno.

O cenário é desenhado num artigo publicado no último número da PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences), através de um modelo de computador desenvolvido por investigadores do National Center for Atmospheric Research norte-americano, com o apoio da NASA e da Universidade do Colorado Boulder.

O objetivo é perceber melhor as condições que levaram à extinção de mais de três quartos de todas as espécies que existiam na Terra no fim do Cretáceo, depois de um asteroide atingir a península do Iucatã, há 66 milhões de anos - um impacto que terá desencadeado terramotos, tsunamis, erupções vulcânicas e grandes incêndios.

"A extinção de muitos dos grandes animais em terra pode ter sido causada pelas consequências imediatas do impacto, mas os animais que viviam nos oceanos e aqueles que podiam ficar debaixo do solo ou enfiar-se dentro de água temporariamente podiam ter sobrevivido", explica Charles Bardeen. "Queríamos olhar para as consequências a longo prazo da quantidade de partículas que foi criada e o que podem ter significado para os animais que sobraram".

Os investigadores usaram as mais recentes estimativas sobre a quantidade de pequenas partículas, fuligem, depositada na camada de rocha depois do impacto. Nas simulações, estas pequenas partículas subiram na atmosfera, aquecidas pelo sol, até formar uma barreira que bloqueava a luz solar. "No início seria tão escuro como uma noite de lua", explica Owen "Brian" Toon, ad universidade de Colorado Boulder.

Segundo estas simulações, a fotossíntese foi impossível durante ano e meio, afetando o fitoplâncton e depois os animais que se alimentam dele. E embora as temperaturas tenham diminuído drasticamente à superfície, aumentaram nas camadas superiores da atmosfera, destruindo o ozono, uma perda que por sua vez terá permitido a passagem de doses mais altas e nocivas de radiação ultravioleta nos anos seguintes.

Os investigadores alertam, no entanto, que os modelos usados têm limitações, nomadamente o facto de a composição da atmosfera ser diferente, bem como a disposição dos continentes.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG