ASAE instala 35 processos a operadores de instalações desportivas

Principais infrações são a falta de licenciamento, o exercício de atividade de técnico responsável sem título profissional válido, a falta de seguro obrigatório, bem como o incumprimento das regras da DGS no âmbito da doença covid-19.

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) instaurou 35 processos de contraordenação resultantes de uma ação de fiscalização a 128 operadores de instalações desportivas relativa ao incumprimento de regras no âmbito do combate à covid-19.

Num comunicado, a ASAE refere que a ação decorreu "de norte a sul do país" em ginásios, centros de fitness, academias e 'health clubs', e teve em conta "os requisitos técnicos e de segurança, de acordo com as regras da Direção-Geral da Saúde (DGS) no âmbito da doença covid-19 e ainda a verificação do cumprimento das regras de comercialização de suplementos alimentares".

Nos 35 processos de contraordenação instaurados, explica a ASAE, destacam-se "como principais infrações a falta de licenciamento, o exercício de atividade de técnico responsável sem título profissional válido, a falta de seguro obrigatório, bem como o incumprimento das regras da DGS no âmbito da doença covid-19".

A ASAE, enquanto órgão de polícia criminal e autoridade de fiscalização de mercado, executa, diariamente, operações para verificação do cumprimento da regulamentação vigente.

"No contexto atual, a incidência de fiscalização manter-se-á necessariamente intensificada nas matérias relacionadas com a situação inerente à pandemia de covid-19, bem como todas as que se manifestem relevantes no âmbito da segurança alimentar e económica", lê-se.

A covid-19 provocou pelo menos 4.878.719 mortes em todo o mundo, entre mais de 239 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram em Portugal 18.088 pessoas e foram registados 1.079.341 casos de infeção.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG