Ainda há quartos para os dias da Web Summit e voos por 60 euros

Preços dos quartos de hotel para a semana em que decorre o evento subiram, em média, 68%. Mas ainda há muitas opções

Ainda há camas disponíveis na hotelaria de Lisboa para os dias em que decorre a Web Summit. "A restauração, a noite e a hotelaria têm capacidade para outra Web Summit. Estou a exagerar um pouco, mas ainda há muita ocupação disponível." A garantia é de José Manuel Esteves, diretor-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP). Os preços subiram e, segundo site Trivago, houve um aumento médio de 68%. Nos voos também há ainda oferta. Há companhias aéreas, como a Ryanair, que têm os voos para Lisboa praticamente todos lotados, mas na EasyJet, por exemplo, ainda é possível arranjar um lugar de Paris para a capital por cerca de 60 euros.
Há vários dias que os 15 hotéis parceiros do maior evento de tecnologia da Europa atingiram a sua lotação máxima para o período entre 7 e 10 de novembro. É o caso do Tivoli Oriente, que disponibilizava quartos a partir dos 245 euros por noite. Ao DN, Jorge Lopes, da Minor Hotels, confirma que o hotel tem uma taxa de ocupação de 100% no referido período. Já no Tivoli Lisboa e no Tivoli Jardim, a taxa está nos 90%, mas o responsável espera que chegue aos 100%.

São esperados 51 mil participantes, de acordo com a organização. "Em novembro não costuma existir tanto fluxo", adianta José Manuel Esteves, admitindo que há efetivamente uma "ocupação extraordinária" tanto na hotelaria como no alojamento local. Embora tenham existido notícias que apontavam para a hotelaria lotada,tal não se confirma e o diretor da AHRESP garante que há vagas em hotéis. Uma rápida pesquisa no Booking permite confirmar que existem inúmeras opções para pernoitar em Lisboa de 7 a 10.

Fonte oficial dos Hotéis Vila Galé reforça que os cinco hotéis do grupo na região de Lisboa "ainda têm disponibilidade. Para o período do evento, as taxas de ocupação estão, em média, dez pontos percentuais acima do verificado no mesmo período de 2015". Tanto o Vila Galé como o Tivoli admitem ter subido os preços: o primeiro entre 20 e 25%, o segundo 10%. De acordo com um estudo da Trivago - comparador de preços de hotéis - "numa comparação dos preços entre os quatro dias da semana anterior e os quatro dias da semana posterior, há um aumento do preço médio de 68% (de 118 euros para 198)" na hotelaria em Lisboa. A noite de 9 para 10 é a mais cara, "com o preço médio do quarto duplo a atingir os 203 euros".

Voos cheios para Lisboa

Apesar de se ter notado uma procura acentuada de voos para Lisboa, não houve necessidade de aumentar a oferta. Isabel Palma, do gabinete de imprensa da TAP, indica que a nível europeu houve um crescimento de 15% nas reservas em relação ao que é normal para a época. "O impacto é positivo", adianta. Já no mercado norte-americano "o aumento foi de 56%", mas, ressalva, que estará relacionado não só com a Web Summit mas também com a abertura de novas rotas nos EUA.

Também a EasyJet refere um aumento de "14% no número de lugares vendidos para o período do Web Summit (de 7 a 10 de novembro) comparativamente com o período homólogo (de 9 a 12 do mesmo mês)". Ontem, era possível reservar voos de algumas capitais europeias para Lisboa a preços acessíveis. Já a Ryanair diz que "os voos para Lisboa estão sempre cheios" no período da cimeira.
Ainda não são conhecidos pormenores sobre a receção aos congressistas no aeroporto de Lisboa. Para já, sabe-se que haverá uma tenda onde vão poder fazer a acreditação para o evento. A maioria vem em voos comerciais, mas alguns chegam em jatos privados.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG