Vinte mil multas para condutores de carros alugados desde o fim das SCUT

Cerca de 20 mil multas estão a ser cobradas a condutores de carros alugados pela falta de pagamento nas passagens de autoestradas que não tinham portagens (SCUT), estima a Associação dos Industriais de Aluguer de Automóveis Sem Condutor (ARAC).

A estimativa foi hoje avançada à Lusa pelo presidente da ARAC, Joaquim Robalo Almeida. Em causa estão as portagens introduzidas no ano passado na região Norte (A28, A29, A41 e A42) e, na quinta-feira, no Algarve (A22) e na região Centro (A23, A24 e A25).

Às rent-a-car chegam os pedidos de identificação dos utilizadores, que são notificados para fazer o pagamento das passagens", acrescentou.

Um dia depois de mais autoestradas SCUT (sem custos para o utilizador) terem passado a ter portagens, o responsável referiu que até existir uma solução específica para os carros alugados haverá recurso aos dispositivos eletrónicos disponíveis no mercado.

"Não queremos uma isenção. O que tem de haver é uma solução para uma situação diferente, um tratamento diferente", sublinhou.

Como solução, a ARAC apresentou à Secretaria dos Transportes um contrato feito diretamente entre os CTT, que comercializa os dispositivos, e o cliente das rent-a-car.

No momento da assinatura do contrato de aluguer, o cliente assinaria uma espécie de 'mini-contrato' para os dispositivos das autoestradas.

"Se os clientes circularem em infração, serão feitas notificações, como o que existe há largos meses", disse à Lusa.

Robalo Almeida acredita que a partir de 01 de janeiro haja uma solução específica para um setor, que muitas vezes é o "primeiro e o último produto" com que os turistas contactam. "E o turismo é um dos poucos sectores a contribuir decididamente para a economia do país", concluiu.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG