PSD saúda Governo mas pede condições para acolher comunidade portuguesa

"É bom que o Governo comece a agilizar procedimentos para acolher todos aqueles luso descendentes", disse Hugo Soares, líder da bancada parlamentar do PSD

O líder da bancada parlamentar do PSD considerou esta quinta-feira que o Governo "andou bem" e tomou uma posição "firme" face à situação na Venezuela, mas apelou para que crie condições para o país poder acolher quem quiser regressar.

"É bom que o Governo comece a agilizar procedimentos para acolher todos aqueles luso descendentes, portugueses, que queiram regressar ao nosso país", declarou Hugo Soares, em conferência de imprensa realizada esta quinta-feira ao início da tarde na sede do partido, em Faro.

Questionado sobre a posição dos outros partidos relativamente às eleições do passado domingo, o social democrata referiu que as posições do PCP e do BE o preocupam "muito mais" quando estes "são uma força de bloqueio à transformação" de Portugal e "às reformas estruturais que o país precisa", considerando que "funcionam como espartilho ao Governo e à governação do PS".

Reiterando as saudações ao executivo pela sua posição política face à situação na Venezuela, Hugo Soares insistiu na necessidade de o Governo manter abertos "todos os canais de comunicação" com a comunidade portuguesa residente naquele país, para que, quem queira, possa regressar.

O líder da bancada parlamentar do PSD defendeu ainda que esta não deve ser uma matéria partidarizada, devendo antes "unir o país" e, questionado sobre se apoiaria a eventual aplicação de sanções à Venezuela, argumentou que não deve ser Portugal "que deve andar à frente" nessa exigência.

"A União Europeia ainda não colocou em cima da mesa essa matéria e eu creio que não vai ser Portugal que deve andar à frente nessa exigência", concluiu.

A União Europeia recusou, na quarta-feira, reconhecer a Assembleia Constituinte eleita no domingo na Venezuela e pediu que a "instalação efetiva" daquele órgão seja suspensa, de acordo com declarações da chefe da diplomacia, Federica Mogherini, em nome dos Estados-membros.

Questionado pelos jornalistas, na quarta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva considerou que a eleição foi "um passo negativo" e frisou que a União Europeia está a preparar uma declaração que, basicamente, refere que os Estados-membros não podem reconhecer a Assembleia Constituinte.

Convocada a 01 de maio pelo Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, a eleição da Assembleia Constituinte decorreu no domingo passado sob uma forte vigilância militar.

Maduro convocou a eleição com o principal objetivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspetos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação, entre outros pontos.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG