Um pão de forma Kitty ajuda crianças a comer melhor

Fazer que as crianças comam nem sempre é uma tarefa fácil, sobretudo quando se trata de fruta e vegetais

Por isso, cada pai adota a sua estratégia: há quem tente envolver os filhos na confeção dos alimentos e há mesmo quem transforme os almoços e lanches em autênticas obras de arte. Afinal, os olhos também comem. Esta estratégia tem vindo a ser posta em prática por alguns pais e difundida nas redes sociais, mas requer tempo. Mais ou menos criativos, importa sobretudo que sejam saudáveis.

Para tornar mais fácil a adaptação do filho mais velho à escola primária, Lee Li Ming pôs a arte ao serviço da sua marmita. Contactada por e-mail pelo DN, esta mãe da Singapura conta que começou a transformar os almoços do filho em personagens como Super Mario e Homem-Aranha para que ele "se animasse e se sentisse mais seguro". Resultou tão bem que agora faz o mesmo com o filho mais novo. Dedica cerca de meia hora por dia à confeção dos pratos, sobretudo japoneses e chineses, mas também cozinha alguns ocidentais. "Eles adoram olhar para a refeições decoradas e, às vezes, dão sugestões de como fazê-los."

Na opinião de Mário Cordeiro, este tipo de estratégia será seguido "por um segmento muito pequeno da população e muito ligado a grupos de mães, blogues e Facebook". Até porque, diz o pe- diatra, poucos pais têm disponibilidade para se dedicarem à arte: "A maioria duvido que tenha tempo, salvo excecionalmente, para estar a gastar com isso, e creio que há coisas mais interessantes para fazer com os filhos. Excetuam-se férias e festas."

Lee Li Ming tem sido notícia em vários países pelo projeto que criou - Bento Monsters - e que entretanto deu origem a um blogue. Usa os alimentos para criar personagens e cenários: transforma o pão de forma num sofá da Kitty, com laços feitos de salsichas, faz pandas com o arroz e muito mais. Inspira-se na internet e no que está à sua volta. Para Nuno Borges, da Associação Portuguesa de Nutricionistas (APN), "a ideia é boa, mas ensiná-los a fazer e envolvê--los no processo será mais interessante.

Leia mais pormenores no e-paper do DN

Mais Notícias

Outras Notícias GMG