Um em cada cinco peões autopsiados com álcool no sangue

Um em cada cinco peões e um quarto dos condutores vítimas de acidentes rodoviários que foram autopsiados pelo Instituto Nacional de Medicina Legal em 2010 tinham álcool no sangue.

Um em cada cinco peões e um quarto dos condutores vítimas de acidentes rodoviários que foram autopsiados pelo Instituto Nacional de Medicina Legal (INML) em 2010 tinham álcool no sangue, segundo dados deste organismo.

A condução sob a influência de álcool e de substâncias psicotrópicas vai estar em debate, amanhã, em Lisboa, num seminário promovido pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) e pelo INML, onde também serão apresentados os resultados do projeto europeu DRUID (Driving under the Influence of Drugs, Alcohol anda Medicines).

Os dados mais recentes do INML referem que 26 por cento dos condutores que morreram em acidentes rodoviários e que foram autopsiados pelo instituto em 2010 apresentavam níveis de alcoolemia acima do legalmente permitido por lei (1,2 grama/litro), percentagem relativamente idêntica à do ano anterior.

Também os peões envolvidos em acidentes em 2010 revelaram consumos de álcool: 19 por cento das vítimas mortais tinham valores superiores a 1,2 g/l, tendência que já se verificava em 2009.

Segundo o INML, em 7,1 por cento das vítimas mortais de acidentes de viação autopsiadas foram detetadas substâncias psicotrópicas, sendo o cannabis e opiáceos as drogas mais presentes.

No seminário, que se realiza no Ministério da Administração Interna, a equipa do INML responsável em Portugal pelo projeto europeu DRUID vai divulgar os resultados do estudo, que fornece informações sobre condutores não envolvidos em acidentes e comparar esses dados com outros países europeus.

Segundo o projeto, os condutores portugueses são, entre 13 países, os que mais consomem ansiolíticos ao volante (2,7 por cento) e os terceiros no consumo de álcool (4,9%), depois da Itália e (8,5%) e Bélgica (6,4%).

No que toca ao consumo de drogas, a Espanha ocupa o pior lugar, com 8,2 por cento, seguindo-se Itália (3,9 por cento), Holanda (2,5 por cento) e Portugal (1,8).

O estudo tem como objetivo fazer uma avaliação estatística sobre a prevalência do consumo de álcool, droga e fármacos nos seguintes países: Portugal, Dinamarca, Espanha, Finlândia, Hungria, Holanda, Itália, Lituânia, Noruega, Polónia, República Checa e Suécia.

Segundo a ANSR, os acidentes de viação provocaram, no ano passado, 690 mortos, 2.416 feridos graves e 39.215 feridos ligeiros. Em relação a 2010, observou-se uma redução de 51 vítimas mortais (-6,9%), 221 feridos graves (-8,4%) e 4.709 feridos leves (-10,7%).

Mais Notícias

Outras Notícias GMG