Tradição das noivas com origem em lenda de Tabuaço

O investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) Alexandre Parafita defendeu hoje que a tradição das noivas de Santo António teve origem numa lenda que passou de geração em geração em Tabuaço.

Alexandre Parafita contou à agência Lusa ter ficado a conhecer a lenda do "Santo António mandado degolar" através de uma idosa do lar de Barcos, no concelho de Tabuaço, no âmbito de um inventário sobre o património imaterial organizado pelo Museu do Douro e do qual é coordenador.

"Essa lenda foi depois estudada por mim para a contextualizar e percebi que nela estaria a origem da tradição das noivas de Santo António", que todos os anos é celebrada em Lisboa, acrescentou.

Segundo o docente da UTAD, a lenda "narra os amores não correspondidos e obsessivos de uma rapariga pelo jovem que mais tarde viria a ser Santo António".

O pai da rapariga, "para a livrar desta obsessão, mandou degolar o jovem e fez espetar a sua cabeça numa estaca, expondo-a na rua à vista de quem passava", mas, "para espanto de todos", ele apareceu noutro lado a pregar.

"Reza a lenda que foi assim que aquele rapaz ficou com a fama de santo e que a moça não quis ser de mais ninguém, ficando para sempre noiva de Santo António", acrescentou.

As características da lenda, nomeadamente o facto de a jovem "se manter noiva de Santo António, traduzindo nessa atitude uma paixão duradoura", levaram Alexandre Parafita a concluir que está relacionada com "Santo António, o patrono das paixões duradouras".

Lembrou que a adoração deste santo como "protetor das paixões duradouras" passou para o Brasil, onde o Dia dos Namorados não se relaciona com São Valentim.

"O Dia dos Namorados no Brasil não é festejado a 14 de fevereiro, mas sim a 12 de junho, véspera do dia de Santo António", contou.

O estudioso frisou que muitos dos rituais dos tempos modernos têm origem em mitos e lendas antigos, um pouco por todo o país.

"Há muitas festas e rituais que persistem na modernidade e são até explorados pelo turismo cujas origens moram em velhos mitos e lendas que estão a perder-se na memória das gerações mais velhas", alertou, considerando, por isso, muito importante inventariar, classificar e estudar o património cultural imaterial.

O projeto do Museu do Douro que coordena e que permitiu passar para o papel a lenda de "Santo António mandado degolar", entre muitas outras narrações orais, tem "a preocupação de ir buscar estes resquícios da memória", para que não se percam.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG