Economist: Costa deve preparar-se para "valentes cotoveladas" de aliados

Imprensa internacional continua a debater o acordo histórico da esquerda portuguesa

A revista The Economist faz esta quinta-feira eco da situação política portuguesa, referindo mais uma viragem à esquerda na zona euro, que acontece apesar da coligação de direita ter ganho as eleições, com o executivo derrubado no Parlamento.

Segundo o Expresso, a Economist chama "profana trindade" aos socialistas, comunistas e bloquistas que se aliaram para apoiar a um Governo do PS. E nota que um Executivo socialista deverá estar preparado para levar "valentes cotoveladas" dos seus aliados.

"Um Governo do PS estará dependente do votos de partidos que pretendem reestruturar a dívida externa e deixar a NATO", acrescenta a The Economist. "O senhor Costa jurou manter-se no caminho estreito da consolidação fiscal, mas deverá esperar umas valentes cotoveladas da sua esquerda".

El Mundo pede a Cavaco que respeite maioria de esquerda

Já o diário espanhol El Mundo escreve hoje em editorial que o Presidente da República "deve respeitar a maioria da aliança de esquerda" em Portugal, mas alerta quanto a um eventual regresso "ao descontrolo das contas públicas".

O jornal recorda que o Governo de Passos Coelho foi derrubado "apenas 11 dias depois da sua constituição", "mediante uma moção que pôs em evidência que os conservadores não contam com uma maioria parlamentar suficiente" e recorda o papel de Cavaco Silva ao indigitar o primeiro-ministro.

"Extravasando as funções de neutralidade exigidas pelo cargo, o Chefe de Estado português fez finca-pé em que o seu correligionário Passos Coelho formasse Governo. Neste momento, Cavaco tem duas opções: manter um executivo em funções até que se possam fazer novas eleições - nunca antes de junho de 2016 - ou indigitar um Governo da esquerda", escreve o diário espanhol.

Para o El Mundo, "as regras do sistema parlamentar português e o respeito ao resultado das urnas exigem que Cavaco opte por esta segunda opção".

No entanto, o jornal aponta que existe uma questão completamente diferente: o futuro de Portugal com um executivo "formado por uma heterogénea amálgama de partidos" [PS, PCP, Bloco de Esquerda e Os Verdes].

"É a primeira vez desde 1975 que os socialistas se põem de acordo com a extrema-esquerda e isso provocou o receio dos mercados sob a forma de pressão sobre a dívida e quedas da bolsa em Lisboa", adianta o El Mundo.

Entre as medidas acordadas pelas forças de esquerda, recorda o jornal, destacam-se "a reposição integral dos cortes salariais aos funcionários, um aumento gradual do salário mínimo dos 505 euros atuais para os 600 euros em 2019, atualizar as pensões e anular várias privatizações".

"Parece difícil, com este programa, cumprir os objetivos de défice fixados pela UE", diz o El Mundo, recordando que "Portugal foi resgatado pela Troika em 2011 ao receber 78 mil milhões de euros".

"Desde então, reduziu o seu défice público de 11% para 4,5% e saiu de uma recessão para registar um crescimento de 0,9% em 2014. O maior perigo agora para a economia lusa é que o regresso da esquerda ao poder, ainda que legítima, implique o regresso ao descontrolo nas contas públicas", conclui.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG