Preventiva para falsificadres de cartões de crédito

A Polícia Judiciária anunciou hoje a detenção, em Lisboa, de dois homens e uma mulher, que se dedicavam à obtenção ilícita de dados de cartões nos multibancos e que ficaram em prisão preventiva por decisão judicial.

Fonte da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC), da PJ, adiantou à agência Lusa que os dois homens, com 33 e 35 anos, e a mulher, de 29, os três do Leste europeu, estão indiciados por vários crimes de "contrafação de títulos equiparados a moeda (cartões bancários) e de burla informática, numa investigação que "correu muito depressa por parte da Judiciária".

De acordo com a mesma fonte, o grupo, apanhado em flagrante delito em Lisboa no âmbito da "Operação Amália", colocava mecanismos ilegais dissimulados nas caixas multibanco, conseguindo assim obter, de forma ilegítima, os dados dos cartões bancários e os respetivos códigos e acesso.

Uma vez na posse dos dados bancários, os grupo transferia-os para outros cartões, com os quais efetuava levantamentos e compras de produtos diversos que seriam depois revendidos, num esquema cujo valor total da burla não está ainda apurado pela Polícia Judiciária, que prossegue as investigações para apurar todos os crimes alegadamente efetuados pelos suspeitos e as potenciais vítimas.

A mesma fonte disse ainda à Lusa que a investigação que levou à captura deste grupo "é muito recente" e foi desencadeada mal foram comunicados àquela polícia suspeitas de fraudes em alguns terminais ATM da cidade de Lisboa.

Nas buscas realizadas depois das detenções, a Judiciária conseguiu apreender "material relacionado com os crimes em investigação".

Os três suspeitos foram ouvidos em primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa, tendo-lhes sido aplicada a medida de coação mais gravosa, a prisão preventiva.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG