Pais de alunos do básico contestam qualidade das refeições

Pais e encarregados de educação de crianças da escola básica e jardim-de-infância de Cabeça Gorda (Beja) contestam a qualidade das refeições servidas no estabelecimento, denunciando anomalias como comida mal confeccionada, fria e insuficiente, mas a Câmara desmente.

As denúncias dos 25 pais e encarregados de educação dos alunos da Escola do 1.º ciclo de Ensino Básico e Jardim-de-infância da aldeia de Cabeça Gorda surgem numa carta enviada ao presidente da Câmara de Beja, à qual a Lusa teve hoje acesso. Na carta, os pais e encarregados de educação denunciam "a situação anómala relativa ao fornecimento das refeições" na escola desde 01 de fevereiro, quando o serviço começou a ser prestado pela empresa escolhida pela Câmara de Beja através de concurso público. Segundo os pais e encarregados de educação, "a comida destinada às crianças não é fornecida dentro do horário adequado" e, por isso, é servida fria "quase todos os dias". A comida é "mal confeccionada", chega à escola "mal acondicionada" e "muitas vezes é insuficiente", alegam.

"Verificámos um decréscimo tanto na qualidade como na quantidade" das refeições servidas, referem os pais e encarregados de educação, que pedem à Câmara a reposição do anterior serviço de fornecimento das refeições. Antes, "nunca se verificou nenhuma anomalia e sempre existiu satisfação, tanto da parte das crianças como dos pais e encarregados de educação", lembram. Confrontando pela Lusa, o vereador da Câmara de Beja com o pelouro da Educação, José Velez, desmentiu o conteúdo da carta, que, disse, contraria os relatórios dos responsáveis pela recepção e pelo fornecimento das refeições aos alunos, nomeadamente professores e auxiliares da escola. Segundo o autarca, os dados confirmam que "a comida é de boa qualidade e bem confeccionada" e chega à escola em "quantidades bastante generosas e mais do que suficientes para todos os alunos", "em horários adequados" e "bem acondicionada", o que "permite que se mantenha a temperaturas adequadas até ser fornecida aos alunos".

Todos estes dados dos relatórios, disse José Velez, já foram "reconfirmados" na escola por si e pelo vereador da oposição CDU Vítor Picado e na presença dos funcionários que acompanham o fornecimento das refeições. O fornecimento das refeições aos jardins-de-infância e escolas do 1.º ciclo do Ensino Básico do concelho de Beja, que antes era prestado por sete instituições particulares de solidariedade social, foi concessionado pela Câmara à empresa Gertral, que presta o serviço desde 01 de Fevereiro. Os vereadores da CDU na Câmara de Beja já contestaram a concessão do serviço à Gertral, que consideram "puramente economicista", já que, alegam, a empresa foi escolhida tendo como "critério único o melhor preço". A CDU também já contestou a qualidade das refeições servidas pela empresa e denunciou "situações anómalas", como comida servida fria, mal acondicionada e em quantidade insuficiente.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG