Movimento acredita na suspensão de 954 lugares pagos

Os responsáveis do movimento pela suspensão dos novos parquímetros em Faro acreditam que os eleitos municipais de todos os quadrantes políticos "vão corrigir o erro cometido" e suspender "de imediato" os 954 novos lugares tarifados.

Desde o dia 2 de abril que começaram a ser pagos na cidade mais 954 lugares de estacionamento, ao abrigo de uma deliberação da Câmara de Faro (PSD), elevando para cerca de dois mil o número de lugares tarifados à superfície da capital algarvia.

"Queremos confiar que, até que haja uma solução mais equilibrada e ajustada aos tempos difíceis, os eleitos municipais de todos os quadrantes políticos vão ser capazes de corrigir o erro cometido", referem, em comunicado divulgado hoje.

Os responsáveis pelo movimento alegam que a rotação média diária de veículos nas novas zonas tarifadas está muito abaixo dos 4 000 veículos, o que significa que há um "desperdício" de lugares muito superior a 60 por cento.

O movimento afirma ainda confiar no trabalho da comissão criada em assembleia municipal, a 30 de abril, cuja missão é apresentar, até junho, um relatório sobre o caso àquele órgão autárquico.

"Confiamos na criação rápida da comissão e que o seu trabalho dê fruto pois o movimento não vai parar", referem, acrescentando que a situação financeira das empresas e serviços das zonas onde foram colocados parquímetros, se agravou.

O movimento anti-parquímetros já conseguiu recolher perto de sete mil assinaturas, das quais 3 205 foram entregues ao presidente da Câmara de Faro, dias antes da entrada em vigor dos novos parquímetros. No final de abril, o movimento entregou ainda um total de 4 351 assinaturas à Assembleia Municipal de Faro.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG