Jardim das oliveiras para promover olivicultura

Um jardim com as variedades de oliveira mais tradicionais do Alentejo abre sábado na cidade alentejana de Moura para promover a olivicultura, uma das principais atividades económicas do concelho e da região.

O Jardim das Oliveiras Miguel Hernández pretende "promover a olivicultura, demonstrando a sua importância histórica, cultural e económica" no concelho de Moura e no Alentejo, "marcados" pela produção de azeite, explicou hoje à agência Lusa o vereador da Câmara de Moura Santiago Macias.

No jardim, com 1 600 metros quadrados e situado na horta do edifício do antigo Grémio da Lavoura, estão plantadas as variedades de oliveira mais tradicionais e representativas do Alentejo, como a cordovil e a verdeal de Serpa ou Moura, a galega grado de Serpa, a galega vulgar e a verdeal galega, indicou.

O jardim, criado pela Câmara de Moura em parceria com o Centro de Estudos e Promoção dos Azeites do Alentejo (CEPAAL), implicou um investimento de 195 mil euros, financiado em 171 mil e 500 euros por fundos comunitários e do Turismo de Portugal, sendo a verba restante assegurada pela autarquia.

Através das suas componentes paisagística, histórica, cultural e de lazer, o município pretende que o jardim seja "mais uma atração turística" da cidade de Moura e "sirva para promover o turismo no concelho e na região Alentejo", disse o autarca.

Por outro lado, frisou, o jardim pretende "explorar" a proximidade com o Museu do Azeite do CEPAAL e o antigo Lagar de Varas do Fojo, convertido em museu, para desenvolver atividades pedagógicas sobre olivicultura e azeite, como visitas e formações.

Segundo Santiago Macias, a Câmara de Moura deu o nome Miguel Hernández ao jardim em homenagem ao "grande" poeta espanhol, o autor do poema "Aceiteros" (azeiteiros) e cujo destino está associado ao concelho de Moura.

Em 1939, poucos dias depois do fim da Guerra Civil de Espanha, Miguel Hernández andava fugido dos franquistas e, ao tentar atravessar a fronteira, foi detido pelas autoridades portuguesas no concelho de Moura, lembrou o autarca.

Depois da detenção, Miguel Hernández foi levado para a localidade espanhola de Rosal de la Frontera e depois para Huelva, onde terminou os seus dias na prisão e acabou por morrer em 1942, aos 31 anos, vítima de tuberculose.

A inauguração do Jardim das Oliveiras Miguel Hernández, marcada para sábado às 11.30, está incluída no programa da 12.ª Olivomoura - Feira Nacional de Olivicultura, integrada na Feira de Maio de Moura, que vai decorrer entre hoje e domingo no Parque Municipal de Feiras e Exposições da cidade.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG