Sindicalistas já desmobilizaram de todos os ministérios

A invasão dos ministérios da Saúde, Ambiente e Finanças já tinha terminado antes, mas só perto das 19h00 os sindicalistas desmobilizaram do ministério da Economia. Todos tiveram ou agendaram reuniões, excepto os da Saúde.

No ministério da Economia, uma delegação de sindicatos ligados aos transportes, composta por cerca de 20 a 30 pessoas, já tinha admitido pernoitar no edifício até conseguir chegar à fala com o ministro, Pires de Lima. No entanto, cerca das 19h00, os sindicalistas desmobilizaram depois de terem agendado uma reunião com o ministro da Economia e com o Secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, para 5 de de dezembro, às 15h00.

Manuel Leal, dirigente da FECTRANS/STRUP, explicou que a ação de protesto visa dar conta "do agravamento dos direitos de trabalho e das condições de vida".

O grupo entrara nas instalações cerca das 15h00, hora a que se verificaram invasões noutros ministérios.

A delegação que esteve no ministério da Saúde terminou a invasão cerca das 17h30, depois de ter sido recebida pelo secretário geral do ministério e entregou uma resolução contra os cortes e pela defesa do Serviço Nacional de Saúde. Isabel Oliveira, 58 anos, utiliza o serviço público de saúde e estava à frente do ministério para se queixar da demora no atendimento. "Com o encerramento de hospitais no centro de Lisboa fica toda uma população prejudicada. Já cheguei a esperar mais de um mês por uma simples consulta de rotina", ressaltou. Já a enfermeira aposentada, Carmen Salpico, 74 anos, disse que "há falta de material, condições de trabalho e até de material humano nos hospitais".

Os manifestantes deixaram as instalações da João Crisóstomo gritando "a luta continua, governo para a rua" e "queremos eleições".

Os manifestantes que protestaram no Ministério do Ambiente conseguiram agendar uma reunião com o ministro Jorge Moreira da Silva no dia 9 e desmobilizaram.

O secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, recebeu uma delegação dos sindicalistas que ocuparam o Ministério das Finanças ao início da tarde em protesto contra os cortes previstos no Orçamento do Estado, hoje aprovado. A coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Função Pública, Ana Avoila, disse à agência Lusa que o secretário de Estado aceitou receber seis sindicalistas após cerca de uma hora de ocupação do Ministério das Finanças.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG