Ricciardi admite ter falado com Passos Coelho

Presidente do BESI diz ter telefonado a "vários membros do governo" para falar sobre as privatizações, dizendo não ter cometido qualquer crime

José Maria Ricciardi, presidente do Banco Espírito Santo Investimento (BESI), admitiu, num comunicado enviado às redações, ter falado com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, sobre as privatizações em curso, nomeadamente pelo facto de o governo ter entregue à empresa Perella a condução do dossier. "Não traduz ilicitude, irregularidade ou sequer censura que se questione eventualmente um membro do Governo sobre se há intenção de ceder a pressões políticas promovidas pelas lideranças europeias, amplamente divulgadas na imprensa de então", argumenta Ricciardi.

Porém, a conversa terá sido interpretada pelo Ministério Público como uma forma de pressão sobre o primeiro-ministro. E daí o procurador que conduz a investigação, Rosário Teixeira, ter solicitado ao presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Noronha do Nascimento, a sua validação - Isto é, a sua inclusão no processo que investiga eventuais crimes de tráfico de influência e abuso de informação - porque terá considerado existirir uma tentativa de pressão junto de Passos Coelho.

Porém, o presidente do BESI garante em comunicado que "para que não fiquem dúvidas no espírito de ninguém reafirmo que transmiti a vários membros do Governo a minha discordância pelo facto de o Estado ter contratado a firma norte americana Perella por ajuste directo, quando se exigia, na observância do rigor e da ética, que se elegessem as assessorias financeiras através de concurso público"

Mais Notícias

Outras Notícias GMG