Quercus considera preocupante predomínio do eucalipto

A associação ambientalista Quercus considerou hoje preocupante que o eucalipto se tenha tornado na espécie que mais espaço ocupa na floresta nacional, principalmente devido ao risco de propagação de incêndios florestais.

"No caso do eucalipto é preocupante, sobretudo ao nível da propagação dos incêndios florestais. É uma situação que nós vemos com alguma apreensão", afirmou hoje, em declarações à agência Lusa, Domingos Patacho, da Quercus.

O jornal Público avança hoje que o eucalipto "já se tornou a primeira espécie da floresta nacional".

De acordo com o diário, que cita dados preliminares do Inventário Florestal Nacional (IFN), entre meados dos anos 1990 e 2010 a área ocupada pelos eucaliptos aumentou 16 por cento. Estas árvores ocupam atualmente 750 mil hectares do território nacional.

As conclusões do IFN, segundo o Público, serão apresentadas pelo Governo em fevereiro.

Domingos Patacho referiu que, para a Quercus, "não é novidade, que o eucalipto seja a primeira espécie em termos de ocupação de área em Portugal".

"Há mais de dez anos que dizíamos que o eucalipto ia avançar para áreas na ordem de já quase um milhão de hectares, e não andará muito longe disso" disse.

O ambientalista referiu ter "algumas dúvidas sobre a fiabilidade dos dados [hoje revelados]", porque "há regulamentos mistos que não são contabilizados, como área de eucaliptal".

Por isso, Domingos Patacho calcula que "os valores serão ainda superiores em relação aos que foram anunciados".

O eucalipto é uma espécie não autóctone (significa que não é natural do território que ocupa), introduzida em Portugal em meados do século XIX.

De acordo com a Quercus, as plantações de eucalipto acarretam impactes ambientais consideráveis sobre o território, nomeadamente uma maior erosão do solo, a alteração do regime hídrico, perda de biodiversidade, alteração da paisagem, para além de facilitarem a propagação dos incêndios florestais de forma muito mais significativa do que as florestas constituídas por espécies autóctones.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG