Portugueses da Califórnia zangados. Vão ter Costa mas queriam Marcelo

Presidente e primeiro-ministro sem agenda conjunta nas comemorações oficiais do 10 de Junho nos Estados Unidos

A viagem chegou a estar planeada, houve contactos entre Lisboa e o consulado-geral em São Francisco, chegou mesmo a viver-se alguma azáfama na busca de um sítio para a receção ao Presidente, mas tudo acabou por ser cancelado devido a alterações na agenda de Marcelo e a dificuldades logísticas de uma viagem que juntaria Presidente e primeiro-ministro no mesmo avião. A comunidade portuguesa na Califórnia não entende e lamenta o esquecimento, apesar da presença já confirmada do primeiro-ministro.

O protesto seguiu ontem por carta, em inglês, há de chegar nos próximos dias ao Palácio de Belém e vem assinada por Nelson Ponta-Garça, conselheiro das comunidades, eleito há dois anos para representar a comunidade portuguesa na Califórnia. O texto termina num tom conciliatório, esperando os portugueses na Califórnia que Marcelo "reconsidere o convite para visitar o golden state assim que lhe for conveniente", mas começa com um lamento: "É com grande tristeza e desilusão que acabámos de ouvir, através da imprensa, que já não irá visitar a Califórnia no Dia de Portugal deste ano e que irá apenas aos Açores e a Boston."

A desilusão e o desabafo continuam no parágrafo seguinte. "Apesar de compreendermos a sua agenda muito cheia, esta decisão faz que nos sintamos, aqui na Califórnia, mais uma vez esquecidos por Portugal. Estávamos tão entusiasmados desde que recebemos a sua confirmação há meses." As notícias na imprensa seguiram-se ao comunicado oficial da Presidência, que deu conta da escolha do professor Onésimo Teotónio de Almeida para presidir às comemorações que, confirma o texto de Belém, "desenrolar-se-ão em Ponta Delgada, nos Açores, e em Boston, nos Estados Unidos da América".

Os censos oficiais contam 400 mil portugueses no estado da Califórnia, mas se forem contabilizados todos os lusodescendentes, o número chega perto de um milhão de almas. A distância é grande, demora- -se a lá chegar e os portugueses naquela zona dos Estados Unidos já estão habituados à raridade de ter por lá, em visita oficial, uma figura do Estado português. Entre Soares e Cavaco passaram-se 20 anos, e Sampaio nunca lá foi.

Em declarações ao DN, Nelson Ponta-Garça conta que os planos da festa para receber Marcelo já iam adiantados. "Já tínhamos comissão de planeamento, da qual faço parte a convite da Cônsul Geral de Portugal. Aliás, já estava definido o local, sendo que esse foi o maior desafio dada a dimensão do estado e a distribuição da comunidade. O Conselho Consultivo, com membros representantes de toda a comunidade, reuniu quase exclusivamente para esse efeito recentemente."

Tinham quase tudo decidido, sítio incluído. "O evento ia realizar-se no Santa Clara Convention Center. Após um longo debate se deveria ser em San José, pela história desta cidade em outras receções presidenciais, se em Sacramento pelo facto de ser a capital, se no vale de São Joaquim pela grande presença portuguesa e poder económico ou se no sul, em Los Angeles ou San Diego."

A carta, escrita em nome individual por Nelson Ponta-Garça - na qualidade de representante eleito pela comunidade -, conta com o acordo da quase totalidade dos elementos do Conselho Consultivo da comunidade portuguesa na Califórnia e ainda do CRAN - Conselho Regional da América do Norte, órgão que junta todos os conselheiros das comunidades nos EUA e no Canadá. O texto lembra a Marcelo que aquela é "uma das maiores e mais bem-sucedidas comunidades portuguesas no mundo. Terra de Silicon Valley, Hollywood e de muitas histórias de bravos portugueses desde 1815", e que "deve ser reconhecida como tal".

Nelson Ponta-Garça, que se tem destacado pela produção e realização de documentários sobre a história dos portugueses na Califórnia e noutras partes dos Estados Unidos, confessa que "não foi com total surpresa que recebemos esta notícia, porque já estamos habituados a que seja a outra costa a contemplada pela proximidade com Portugal". O conselheiro das comunidades afirma que ficaram "naturalmente tristes", mas diz esperar que o Presidente os visite noutra oportunidade e "em breve". Mas, lembra, já no final da conversa, a 11 de junho haverá uma atenuante para a falta do Presidente. "Teremos muito gosto que venha o primeiro-ministro, que terá uma agenda económica de alto nível." Aliás, haverá mesmo negócio para fazer naquela parte dos Estados Unidos, como demonstra a visita da secretária de Estado do Turismo, que passou por Hollywood recentemente, uma intenção de "deve ser reforçada pelo primeiro-ministro".

Contactada pelo DN, a Presidência da República justifica a falta de Marcelo afirmando que "a visita ainda está em preparação, não tem o programa fechado, mas o Presidente teve de encurtar a estada na América". Belém invoca o "pesadelo logístico" que seria levar duas comitivas de Boston a São Francisco e os inconvenientes de ter Marcelo e Costa a bordo do mesmo avião numa viagem tão longa - algo que não aconteceu nas comemorações do 10 de Junho em Paris e no Brasil. Ao DN, Belém garante que o Presidente "irá logo que possível à costa oeste dos Estados Unidos".

Mais Notícias