Passos: "Não vou andar a rondar nem a assombrar coisa nenhuma"

Presidente do PSD admite que autárquicas têm uma leitura nacional. E afirma que não quer dar ideia de que está agarrado ao poder

Pedro Passos Coelho declarou esta terça-feira à noite que não se irá recandidatar à liderança do PSD, na sequência dos resultados do seu partido nas eleições autárquicas, depois de o ter comunicado, durante a tarde, à comissão política do partido.

Passos disse ao Conselho Nacional do partido que a sua saída não significa que se "vá calar para sempre", mas garantiu que não vai "andar a rondar nem a assombrar coisa nenhuma". Passos assegurou "lealdade" à futura liderança, qualquer que seja, e admitiu que as eleições no partido venham a ser antecipadas já para dezembro (pelo calendário previsto até agora seriam em janeiro ou fevereiro).

Entretanto, foi anunciado que o Conselho Nacional do PSD volta a reunir já na próxima segunda-feira para marcar a data das eleições directas e do congresso social-democrata.

Num discurso de cerca de 25 minutos, Passos justificou a decisão de não se recandidatar à liderança do PSD com a necessidade de "libertar o partido para uma escolha diferente". "Os resultados autárquicos indicam que temos de encontrar um caminho diferente para o futuro. A nossa ação política precisa de ser ambiciosa, o país precisa dela e creio que não estou em condições de oferecer essa perspetiva ao PSD", afirmou, acrescentando que, se ficasse, passaria a maior parte do tempo a combater a acusação de estar agarrado ao cargo.

"Ficar seria oferecer, com facilidade, a caricatura de que estamos agarrados ao poder interno. Estaríamos simplesmente a resistir às coisas, em vez de estar a construir um horizonte" que pudesse dar ao partido melhores resultados no futuro, sublinhou Passos. Um cenário que deixaria o PSD "ainda mais à mercê da injustíssima acusação" de estar agarrado ao passado.

"Sinto esta decisão como lúcida, não como resultado de uma conveniência ou um desejo", disse o líder social-democrata perante um concorrido Conselho Nacional. Passos argumentou que, se tomasse a decisão contrária, de se recandidatar, o argumentos que teria - e fez questão de sublinhar que tinha argumentos para isso - , não resolveriam o problema principal."Se permanecesse vitorioso à frente do PSD, em vez de estar construir uma alternativa de governo, estaria em permanência a combater o preconceito e a ideia feita de que estava agarrado ao poder no partido, de que estava a resistir a ceder o lugar a quem tem melhores ideias e melhor estratégia para levar o partido a melhor porto", disse o líder social-democrata, que sublinhou já ter dado "bastas provas" de que a sua "obstinação não é com os lugares".

No discurso perante o Conselho Nacional, Passos fez referência direta a dois nomes do partido. A Hugo Soares, o líder parlamentar eleito em julho que hoje tem a primeira prova de fogo no parlamento, assumindo a intervenção dos sociais-democratas no debate quinzenal com o primeiro-ministro. E ao líder dos eurodeputados do PSD, Paulo Rangel, um "rosto importante da afirmação externa do partido" - e um nome na lista de possíveis candidatos à liderança.

Já sobre as autárquicas que acabaram por ditar a sua saída, Passos voltou a falar num resultado "pesado", que "não faculta muita margem de manobra para quem gosta de assumir responsabilidades". Mas o PSD não foi o único nem o pior, fez questão de sublinhar, já que outros foram "praticamente varridos" nas eleições - "o Bloco de Esquerda não perdeu muito porque não tinha muito para perder, o PCP perdeu muito, mas acha que há outras coisas que compensam". Já o CDS "não terá tido um resultado tão ambicioso quanto se procurou pintar" - mas "ninguém de bom senso ignoraria o resultado que o CDS teve, em particular o resultado que a líder teve em Lisboa, que está muito além daquilo que seria o resultado do CDS, pelo menos a avaliar pelo resto do país". Ou seja, Passos atribui boa parte do sucesso do CDS em Lisboa (que ficou à frente do PSD) a um "fator Cristas" e não a um crescimento estrutural dos centristas.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG