Paraquedistas portugueses atacados em Bambari

Militares portugueses envolvidos em combates intensos na República Centro-Africana

A Força de Reação Imediata de paraquedistas do Exército Português, segundo informação do Estado-Maior-General das Forças Armadas, esteve "novamente envolvida em intensos confrontos ontem ao início da tarde", na sequência de um "ataque à esquadra policial no centro da cidade de Bambari", localidade a 400 km da capital do país, Bangui.

O comunicado refere que "no percurso entre o acampamento onde se encontram atualmente os militares portugueses e o local do incidente, os paraquedistas foram recebidos por intenso fogo opositor de várias direções e no local entraram em combate com elementos de grupos armados".

No relato sobre os combates é explicado que "muitos civis afetos aos atacantes" criaram barreiras, "deitando-se no chão para obrigar as viaturas a pararem para depois serem batidas por fogo de armas ligeiras dos dois lados do itinerário".

Os militares ocuparam posições dentro do quartel da "Gendarmerie" e, nesse ponto, responderam ao fogo


O comunicado esclarece que as unidades de paraquedistas conseguiram "empurrar os elementos dos grupos armados das duas fações (Anti-balaka e ex-Seleka), para a periferia da cidade".

Várias viaturas portuguesas foram atingidas e danificadas

APOIO DO PAQUISTÃO

O Estado-Maior-General das Forças Armadas informa que esta "operação foi apoiada por um helicóptero do Paquistão, também ao serviço das Nações Unidas, onde embarcaram atiradores dos paraquedistas portugueses, tendo a sua ação sido coordenada pela equipa de controladores aéreo tático avançados da Força Aérea portuguesa".

HELICÓPTERO FOI ATACADO

"Cerca de 60 elementos armados que se dirigiam para o centro da cidade, para reforçar o grupo que atacava a esquadra da "Gendarmerie", abriram fogo sobre o helicóptero, tendo sido necessário, em último recurso, usar a força para responder ao fogo e impedir o avanço para Bambari", refere o comunicado

COMBATES DURARAM CINCO HORAS

"Os combates com os dois grupos duraram cerca de 5 horas, tendo a ação dos militares portugueses sido crucial na limpeza da área e no reforço de posições defensivas junto ao centro da cidade e da ponte de acesso a Bambari, impedindo assim a entrada para o centro da cidade de elementos armados Anti-balaka"

Não há ocorrências a registar entre os militares portugueses, encontrando-se todos em segurança

Na terça-feira, uma patrulha militar portuguesa na República Centro-Africana (RCA) foi na terça-feira atacada por "elementos armados" com os quais trocou tiros na localidade de Bambari, a 400 quilómetros da capital

Segundo o EMGFA, pelas 17:30 de terça-feira, a patrulha ao serviço da missão das Nações Unidas naquele país envolveu-se em confrontos com elementos armados "que atacaram os capacetes azuis no local, tendo ocorrido troca de tiros".

O Estado-Maior acrescentou que "elementos da população" apedrejaram a patrulha e as viaturas em que seguiam, provocando ferimentos ligeiros na perna a um militar português atingido por uma pedra, que foi observado pela equipa médica e se encontra bem.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG