Operários em avaliação, obras já foram retomadas

Em dois dias quatro trabalhadores ficaram feridos, dois com gravidade, quando trabalhavam numa obra nas instalações da Nokia, em Alfragide. Autoridade para as Condições do Trabalho esteve no local e obras já foram retomadas.

O espaço pertence à empresa Fundo Vip, mas a gestão é feita pela Silvip, Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário. A pedido da Nokia, que arrenda o espaço, estão a ser feitas obras de melhoramento.

Ontem, um operário da empresa de construção civil contratada pelo dono do complexo ficou gravemente ferido, com 70% do corpo queimado, quando fazia a limpeza de um poço e danificou uns cabos elétricos.

Hoje de manhã, três funcionários da empresa de trabalhos elétricos, ficaram feridos quando faziam um reparação num posto de transformação. Foram todos transferidos para o hospital de Santa Maria, em Lisboa, e a meio dois estavam em observação. Um deles apresentava queimaduras em 50% do corpo.

"Os acidentes não ocorreram no mesmo local. No primeiro caso foi um cabo danificado quando se procedia à limpeza de um poço, no segundo a equipa estava a fazer a reparação de uma anomalia elétrica no posto de transformação, que nada tinha a ver com o acidente anterior. A Autoridade para as Condições do Trabalho estiveram no local, a recolher informações. A obra já foi retomada. As duas empresas estão certificadas", explicou ao DN Serralha Ferreira, administrador da Silvip.

Os operários da EiE, Eletricidade e Instalações Especiais hoje feridos em estado mais grave - dois homens, um com 30 e outo com 40 anos - foram encaminhados para o hospital de Santa Maria, onde chegaram por volta das 11 horas.

Fonte da EiE explicou ao DN que o funcionário que ficou ferido com maior gravidade era o operacional que estava a reparar a anomalia no posto de transformação e que os outros dois eram assistentes técnicos.

Segundo fonte do Inem estiveram no local duas ambulâncias de emergência médica geridas pelos bombeiros da Amadora e duas viaturas médicas de emergência e reanimação (vmer). Os dois feridos foram entubados e ventilados no local antes de terem sido transferidos para o hospital

No acidente de ontem esteve no local uma ambulância e uma vmer que assistiu o homem de 28 anos que ficou gravemente ferido. o mesmo foi transportado para o heliporto do hospital de Santa Cruz, em Carnaxide, e dai para o hospital da Prelada, no Porto.

A transferência foi motivada pela falta de camas para queimados na região de Lisboa. A questão foi hoje colocada ao ministro da Saúde Paulo Macedo pelo Bloco de Esquerda num debate que decorreu na Assembleia da República. O ministro garantiu que não há falta de camas e que "a rede está a funcionar".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG