O "jovem turco" do PS para a nova diplomacia parlamentar

Pedro Nuno Santos foi um dos elementos das "reuniões técnicas" com BE, PCP e PEV, que provocaram a queda do Governo PSD/CDS-PP

Um "jovem turco" para a nova e necessária diplomacia parlamentar à esquerda foi a escolha natural do primeiro-ministro, António Costa, para secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, respondendo diretamente ao chefe do executivo.

O deputado de 38 anos, originário de São João da Madeira, onde a família tem uma empresa de material industrial para as fábricas de calçado, já foi um dos elementos das "reuniões técnicas" com BE, PCP e PEV, que provocaram a queda do Governo PSD/CDS-PP e entendimento com bloquistas, comunistas e ecologistas.

O antigo secretário-geral da JS é membro do denominado grupo dos "Jön Türkler" (jovens turcos) - designação nascida na blogosfera e corredores de São Bento por associação ao histórico coletivo que lutou por reformar a administração do Império Otomano -, juntamente com outros parlamentares da ala esquerda do PS: João Galamba, Duarte Cordeiro ou Pedro Delgado Alves, protagonistas da oposição interna a António José Seguro.

As relações entre grupos parlamentares também terão o presidente socialista e líder da bancada, Carlos César, mas o economista, que se notabilizou igualmente no inquérito ao universo empresarial Espírito Santo, será importante elo de ligação entre as diversas forças políticas da nova maioria parlamentar, a par da secretária-geral-adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, também presente nas negociações com BE, PCP e PEV.

Pedro Nuno de Oliveira Santos, nascido em 13 de abril de 1977, já fora deputado na X e na XII legislaturas, após um breve intervalo para ajudar na gestão da Tecmacal, na capital do calçado, ao lado da irmã e do pai, ativista da Frente Eleitoral dos Comunistas (marxistas-leninistas) [FEC-ml] dos tempos do Processo Revolucionário Em Curso (PREC), antes de se tornar empresário.

Aos 18 anos, o novo secretário de Estado mudou-se para Lisboa, estudando no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), a escassos metros da Assembleia da República, onde confraternizou com um dos seus melhores amigos, José Gusmão, atual dirigente e também deputado do BE.

Pedro Nuno Santos esteve nas direções das associações de estudantes da sanjoanina Escola Secundária Dr. Serafim Leite e, posteriormente do ISEG, fazendo ainda parte do senado da Universidade Técnica Lisboa.

"Ladri di Biciclette" (Ladrões de Bicicletas), a película de 1948 do realizador italiano Vittorio De Sica é o seu filme favorito e deu nome ao blogue em que participa. Além daquele exemplar do neorrealismo transalpino, o parlamentar socialista não perde um novo título de outro italiano: Nani Moretti.

Também apreciador de viagens, o novo governante lidera a Federação de Aveiro do PS, tendo já desempenhado os cargos de presidente da Assembleia de Freguesia de São João da Madeira. Enquanto líder da JS, foi um dos defensores do primeiro projeto de lei dos socialistas sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Pedro Nuno Santos foi protagonista de títulos da imprensa e alguma polémica quando, em dezembro de 2011, num jantar de socialistas em Castelo de Paiva reafirmou a sua posição anti austeridade: "Estou a marimbar-me que nos chamem irresponsáveis. Temos uma bomba atómica que podemos usar na cara dos alemães e franceses. Essa bomba atómica é simplesmente não pagarmos(...) as pernas dos banqueiros alemães até tremem...", afirmou, já com a antiga maioria PSD/CDS-PP a desempenhar funções governativas.

Mais Notícias