Novo programa quer menos casos, menos mortes e zero discriminação

A diminuição dos novos casos de infecção, das mortes e da discriminação associada ao VIH é o objectivo principal do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da doença, cuja proposta será apresentada quinta-feira, Dia Mundial da SIDA.

Esta proposta para os anos de 2011 - 2014 será apresentada durante a reunião do Conselho Nacional para a Infecção VIH/sida que, tal como todos os anos, se reúne neste dia, em Lisboa. De acordo com o coordenador nacional para a infeção VIH/Sida, Henrique Barros, a proposta resulta de vários contributos, mas deverá agora receber outros, nomeadamente dos representantes da sociedade civil que compõem o Conselho.

Para Henrique Barros, a principal mensagem deste programa é a necessidade de diminuir os novos casos de infecção, os mortos e, sobretudo, a discriminação. Este é também o tema para este Dia Mundial da Sida: "Getting to Zero" - zero novas infecções, zero pessoas discriminadas e zero mortes relacionadas com a infecção VIH. O novo programa será de "continuidade" - já que "não há rupturas com o anterior" e persegue o objectivo das Nações Unidas de "um mundo sem infecção". Sobre a evolução da infecção em Portugal, Henrique Barros considera que ela segue no sentido esperado, com a excepção dos homens que têm sexo com outros homens, que têm registado um aumento das infeções.

"É uma preocupação que temos de combater e reverter", disse, acrescentando que esta subida pode resultar de um aumento dos diagnósticos. Mas também é possível que esta subida de casos de infecção nos homens que têm sexo com outros homens resulte da infecção ter deixado de ser tão grave e passar a ser tratável. "A doença deixou de ser tão grave e há alguma despreocupação", disse. Entre Janeiro e Setembro deste ano, o mercado de antiretrovirais (utilizados contra a infecção) representou cerca de 148 milhões de euros, o que correspondeu a 18 milhões de unidades.

Este mercado tem um peso de cerca de 18 por cento em valor no consumo total de medicamentos hospitalares e 10 por cento em volume. O primeiro caso de SIDA em Portugal foi diagnosticado em Outubro de 1983.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG