Pedidas penas de prisão pela morte de trabalhador português

A Justiça espanhola pediu segunda-feira a condenação a três anos e meio de prisão de dois responsáveis de uma empresa galega pela morte de um trabalhador português, que em 2008 caiu de um sétimo andar, em Vigo.

Segundo fonte ligada ao processo, contactada pela agência Lusa, em causa estão acusações de infrações ao direito laboral e de homicídio imprudente que pendem sobre um administrador e sobre um encarregado da empresa de trabalhos verticais, com sede em Ourense, para a qual o português trabalhava.

O acidente deu-se na cidade galega de Vigo, a 10 de dezembro de 2008, e revelou-se fatal para o português, de 37 anos. No momento do acidente, o trabalhador estava a colocar ganchos na fachada, para a instalação de tubagem e "tinha o arnês bem colocado".

Inadvertidamente, registou-se a queda, desde a fachada interior do sétimo andar do prédio, provocando-lhe morte imediata. Contudo, na altura, não estava colocada uma corda de segurança, o que proporcionou o desfecho fatal, falha entretanto assumida pela empresa.

Além da pena prisão para os dois responsáveis, a acusação pede a aplicação de uma multa de 13 500 euros, além de indemnizações à família do português, que ascendem a 217 000 euros.

Não é conhecida, ainda, uma data para a divulgação da decisão sobre o processo pelo Tribunal de Vigo.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG