Moradores contestam mudanças na circulação na Lapa

Moradores na Lapa, no Porto, contestam a "recente remodelação" da circulação de pessoas e de veículos automóveis, do estacionamento e de postos de recolha de lixo no espaço existente entre a igreja local e o quartel-general.

A questão motivou um abaixo-assinado dirigido aos presidentes da Câmara e da Assembleia Municipal e foi levantado neste órgão, ontem à noite, pela deputada do Bloco de Esquerda, Ada Pereira da Silva, e por uma moradora.

Os moradores criticam a mudança da passadeira pedonal "desde o lado do Hospital da Ordem da Lapa até ao separador central", porque "foi desalinhada" da que liga este ao passeio contíguo à Igreja e ao cemitério.

Dizem que a mudança dificulta o trânsito na rua da Senhora da Lapa, "coloca em maior risco os peões que a utilizam e obriga os peões a fazerem parte do atravessamento da via percorrendo um separador central estreito e com árvores".

Mas também reprovam o novo regime local de trânsito automóvel, porque, num dos casos referidos, impede o acesso aos estacionamentos e às habitações e estabelecimentos comerciais frente ao cemitério para o trânsito proveniente da Igreja da Lapa/baixa da cidade".

"Os lugares de estacionamento oblíquos ao passeio e no seguimento dom separador central expõem veículos e ocupantes a perigo desnecessário", refere ainda o abaixo-assinado.

Os moradores questionam também "a colocação de ecopontos e ponto de depósito de resíduos indiferenciados à porta de habitações e estabelecimentos comerciais".

Rio ouviu Ada Pereira da Silva denunciar as mudanças introduzidas naquela zona da cidade e respondeu: "Inclino-me muito para lhe dar razão".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG