Menos 25 mil pipas de vinho do Porto nesta vindima

A Região Demarcada do Douro vai transformar em Vinho do Porto 85 mil pipas em 2011, menos 25 mil do que na vindima anterior, disse à Agência Lusa fonte do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP).

O presidente do instituto público, Luciano Vilhena Pereira, disse hoje que o conselho interprofissional fixou em 85 mil o número de pipas a beneficiar este ano (quantidade de mosto que cada viticultor pode destinar à produção de vinho do Porto). Este valor representa um decréscimo de 25 mil pipas em relação à vindima do ano passado. O benefício foi aprovado com os votos a favor do comércio e os votos contra da produção. Luciano Vilhena Pereira justificou esta redução por entender que "face à conjuntura, é um valor ajustado às necessidades e ao futuro do Vinho do Porto".

O responsável pelo IVDP adiantou que "não se concretizaram as expetativas de continuar a aumentar as vendas e o crescimento mundial entre os países compradores de vinho do Porto que se esperavam o ano passado". Pelo contrário, acrescentou, "os mercados tradicionais, incluindo o nacional retraíram-se". Vilhena Pereira espera que "a fixação desta quantidade de mosto disponível permita que os preços na produção subam significativamente". O comunicado de vindima, que define o número de pipas a beneficiar, é elaborado com base em vários fatores, tais como a produção prevista de vinho na próxima vindima ou as vendas registadas nos primeiros meses do ano.

Isabel Marrana, secretária geral da Associação das Empresas de Vinho do Porto (AEVP), já tinha dito que o comércio ia defender uma diminuição do benefício. A qual, segundo a responsável, se justifica porque a comercialização de vinho do Porto "está em quebra", de designadamente 3.8 por cento no primeiro semestre comparativamente com igual período do ano passado. "Por outro lado temos ainda o excedente de cerca de nove mil pipas que ficaram por vender na vindima anterior", sublinhou. A Casa do Douro (CD), representante da produção, considera que esta redução significa que os viticultores durienses vão experimentar "novos prejuízos" que vão "por em causa muitas explorações".

"Salvo se o comércio levar por diante uma política substancial de melhoria de preços, o que não me parece", afirmou à Lusa o presidente da CD, Manuel António Santos. Por sua vez, a Associação de Desenvolvimento da Viticultura Duriense (ADVID) classificou esta redução como a "ruína" dos pequenos e médios vitivinicultores do Douro e anunciou um protesto para o dia 27 de julho, a decorrer no Peso da Régua.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG