"Não sei o que seria Portugal sem a expulsão dos jesuítas pelo marquês de Pombal"

Almoço com os jesuítas José Maria Brito, diretor do Portal SJ, e José Frazão Correia, provincial em Portugal. Do marquês de Pombal ao Papa Francisco, passando pelo Silêncio de Scorsese, não faltaram os temas numa conversa sentados no refeitório do Centro Paroquial do Cristo-Rei.

Percebi que este seria um almoço especial - e não só pelos obrigatórios temas marquês de Pombal e Papa Francisco - logo desde o primeiro momento em que desafiei os padres José Frazão Correia sj e José Maria Brito sj. Quem conhece o significado do sj (Societas Jesu) ao seguir ao nome já percebeu que os meus dois convidados são da Companhia de Jesus, um deles o provincial de Portugal, o outro o diretor do Ponto SJ, um portal na internet recém-criado e que quer ser um elemento de ligação entre os jesuítas e a sociedade, "para que o diálogo não seja uma espécie de slogan e seja antes efetivo", como me explica o próprio Zé Maria.

Aproveito já para justificar este tratamento tão informal, combinado também com José: acordado com Rita Carvalho, assessora da Companhia de Jesus, este "almoço com" começou ainda em Lisboa, junto à sede do DN, com os padres vindos da cúria provincial no Lumiar a darem-me boleia até à margem sul, pois a refeição iria acontecer numa das cantinas onde habitualmente comem os jesuítas, neste caso o refeitório do Centro Paroquial do Cristo-Rei, entre o Pragal e a Caparica. E foi precedido por uma visita ao Centro Juvenil Padre Amadeu Pinto, outra valência da Companhia onde um outro jesuíta, o padre Gonçalo Machado sj, explica o trabalho junto de jovens oriundos de bairros sociais, muitos deles de famílias disfuncionais em que nem pai nem mãe estão presentes. O chamado Bairro Branco fica na Paróquia de São Francisco Xavier (diocese de Setúbal), que homenageia uma figura-chave na Ásia do século XVI e que "está confiada aos jesuítas há vários anos", sublinha Rita, antiga camarada de trabalho no DN e que me ajudou em 2017 a ir ao Vaticano entrevistar o padre Arturo Sosa sj, Superior Geral, venezuelano e o primeiro não europeu a chefiar a Companhia.

Com a visita ao Centro Juvenil, atrasamo-nos um pouco a chegar ao refeitório, já quase vazio pois são duas da tarde. Ali almoça todos os dias muita gente, mas um pouco mais cedo, a começar pelas crianças do infantário. A ideia, disseram-me os padres ainda íamos a atravessar o Tejo, é cada um servir-se, sem cerimónia, e por isso começamos por uma sopa de nabiças, agradável de sabor. Pergunto então a José, que tem 48 anos, se isto de ser padre lhe chegou por influência familiar. Diz que sim, se se considerar que os pais tinham "uma vivência religiosa que passaram aos filhos", mas que de sete irmãos é o único que seguiu a via do sacerdócio. Quanto a padres na família, só a memória de um tio da mãe que foi como capelão para França com o Corpo Expedicionário Português durante a Primeira Guerra Mundial e morreu pouco depois de regressar, "ainda muito jovem, talvez por causa dos gases".

O provincial é da freguesia de Algueidão da Serra, no concelho de Porto de Mós, terra de minifúndio, agricultura de subsistência, de gente pobre ou remediada, "onde não havia senhores". Os pais não tinham mais do que a instrução primária, mas incentivaram os filhos a estudar. E conta José que todos ajudavam a que isso fosse acontecendo, contribuindo à medida que cresciam para o orçamento familiar. No caso dele, que desde pequeno sentiu vontade de ser padre, o resultado foram duas licenciaturas (Filosofia e Teologia), o mestrado (em Teologia Fundamental) e o doutoramento (também em Teologia Fundamental).

Como sei que o doutoramento foi feito na Pontifícia Universidade Gregoriana, e já antes a licenciatura em Teologia também o fora, levo a conversa para a questão da experiência de vida em Itália. E José surpreende-me quando compara "a Roma italiana" com a "Roma eclesiástica, dentro e fora dos muros do Vaticano", dizendo ser a primeira aquela que mais o fascinou, que mais lhe deu a conhecer a alma dos italianos.

Para deixar o meu convidado (na realidade, desta vez sou eu o convidado) terminar a tal sopa de nabiças, viro-me para Zé Maria, que nasceu no Porto em 1976 "numa família de classe média alta", como o próprio diz, pois de um lado e do outro havia industriais. Era uma família religiosa, admite o padre, mas mesmo assim um dos avós só se batizou para poder casar. "Era de Setúbal", acrescenta. Comento que é a minha cidade natal e que, de facto, há umas décadas a indústria conserveira era fortíssima, com inúmeras fábricas, e, pelo que sei agora, algumas do avô do jesuíta que está sentado à minha frente e que me serve água de um jarro, a bebida que acompanha a refeição.

Zé Maria estudou Jornalismo no Porto, depois licenciou-se em Filosofia e Humanidades. No percurso académico está incluída uma passagem pelo Boston College e comenta que dessa experiência nos Estados Unidos lhe ficou o fascínio pelos contrastes da sociedade e a admiração pela pujança cultural. Relembro a Zé Maria que nos conhecemos aquando da estreia em Portugal, em finais de 2016, de Silêncio de Martin Scorsese, filme baseado num romance do japonês Shusaku Endo sobre um jesuíta português do século XVII, Cristóvão Ferreira. O padre diz identificar-se com os jesuítas do filme, com as suas contradições, durante a época da perseguição aos cristãos, com os xóguns a verem a religião como ameaça à unidade nacional depois das guerras civis. Conto que estive em Nagasáqui já depois de ter visto o filme e que visitei vários locais ligados a Ferreira, incluindo o templo budista onde terá sido sepultado depois da apostasia. "Aquelas personagens podiam ser jesuítas, estão bem caracterizadas. Scorsese apanhou bem a alma da Companhia. Está bem conseguido naquele aspeto, não soa a falso", acrescenta o provincial.

José foi ordenado presbítero em 2004 e Zé Maria é padre desde 2010. O mais jovem foi quem entrou mais cedo para a Companhia (22 anos) e fez a terceira provação, última fase de formação de um jesuíta, no Quénia, onde esteve seis meses. O mais velho, por seu lado, entrou para a Companhia já com 25 anos. "Claramente para mim os exercícios espirituais e a experiência de os fazer foi a porta de entrada, foi um período em que me encontrava numa fase de grande confusão na vida, sem saber como avançar, e os exercícios foram uma espécie de luz que ia ao encontro das minhas expectativas: o modo de rezar, o modo de compreender Deus e de se relacionar com Ele.", conta o atual provincial, cargo que tem a duração de seis anos, o que mostra a aversão dos jesuítas aos estatutos hierárquicos (é um quarto voto), sendo raros os que como o argentino Jorge Mario Bergoglio chegaram a ser bispos ou cardeais - e Francisco é mesmo o primeiro jesuíta Papa, ascensão que acabou com a tradicional oposição entre Papa branco e Papa negro (o superior-geral jesuíta, eleito, e cujas vestes contrastam com as do Sumo Pontífice), mas a esse tema iremos mais adiante.

Para segundo prato, bacalhau cozido, com batatas, legumes e ovos. Cada um, uma vez mais, tira o que quer da bandeja. Há cebola e alho picado para pôr em cima do peixe antes de ser regado com azeite. Continuo a conversa com José, sobre a influência que tem a Companhia de Jesus na educação, com vários colégios, centros universitários e através da Faculdade de Filosofia em Braga, mas o provincial destaca também o trabalho social, como aquele que é feito aqui no concelho de Almada onde estamos a almoçar. Zé Maria avança também com a sua interpretação do papel dos jesuítas, destacando "uma informalidade muito grande no modo de nos relacionarmos com as pessoas, que não tem que ver com nenhum desleixo, mas que tem que ver com esta convicção profunda de que Deus se encontra em todas as realidades". Em tempos membro de uma juventude partidária, como me conta, o agora padre acabou por adaptar a sua vontade de intervenção cívica, de ação social, na Companhia, hoje a mais influente das ordens religiosas da Igreja Católica, com 17 mil membros espalhados pelo mundo inteiro, com crescente destaque para a América Latina, a África e a Ásia.

Quando foi fundada em 1540 pelo espanhol Inácio de Loyola, com o português Simão Rodrigues também no núcleo original, a Companhia parecia ser sobretudo uma arma do Vaticano contra a Reforma protestante, mas cedo os jesuítas se revelaram missionários de excelência, muitos deles enquadrados pela Coroa portuguesa, independentemente de terem nascido espanhóis como Francisco Xavier ou italianos como Matteo Ricci, gente capaz de cruzar os mares com pouca esperança de voltar um dia a casa. "Fica o espanto pela coragem e ao mesmo tempo a capacidade de fazer muito em pouco tempo. A média de vida daquelas pessoas era muito curta. Mas produziram dicionários, obras arquitetónicas, música. Mostra também a preparação científica e filosófica que tinham. Por exemplo, no Japão e na China é extraordinária a formação científica global que mostraram, desde a Teologia até à Astronomia", sublinha o provincial.

Com o sucesso, veio a influência. E a desconfiança por parte do poder político, em especial em Portugal. E no século XVIII os jesuítas foram expulsos pela primeira vez. Seguiram-se duas outras expulsões, uma com os liberais, outra com a República, mas a primeira, por ordem do marquês de Pombal, foi a que ficou na memória. Pergunto a José se pensa que o primeiro-ministro de D. José acreditava mesmo que os jesuítas eram uma ameaça para o poder absoluto do rei. "Penso que acreditaria, sendo que percebemos também que no percurso dele há uma grande aversão à Companhia. Se formos às pretensões iluministas e à cultura de então, e à dele em particular, e pensarmos que a primeira rede de educação em Portugal é a rede de colégios da Companhia, praticamente em todas as capitais de distrito, incluindo as ilhas, dá para perceber a força que essa rede tinha na formação do próprio Estado. E dá para percebermos também o que significa para Portugal que essa rede tivesse sido extinta sem que nada paralelo fosse posto no lugar. Pode dar a ideia de uma certa presunção mas não sei o que seria Portugal sem a expulsão dos jesuítas, mas possivelmente no campo educativo teria sido muito diferente se a rede de escolas primárias e secundárias distribuídas pelo território não tivesse tido um fim tão abrupto. Uma verdadeira rede escolar essencialmente gratuita foi interrompida de um momento para o outro sem ser substituída", nota.

Hora da sobremesa. Uma delícia de chocolate da Danone. Parece um luxo neste refeitório, mas não. "Foi de certeza oferta de um supermercado", diz o provincial, explicando que produtos à beira de expirar o prazo, mas em condições, são recebidos com regularidade. Olho para a data na embalagem: 25 de abril de 2018. Um dia depois deste almoço. Como com gosto, José e Zé Maria também. E chegamos ao Papa, tema incontornável, por trazer tanta novidade à Igreja e por ser ele próprio uma novidade, o primeiro jesuíta e o primeiro latino-americano.

"Se calhar é coincidência, mas claro que a eleição de Francisco traduz o espírito do tempo e claramente que a Igreja se está a deslocar. Crescemos com a perspetiva de que era impossível haver um Papa jesuíta, desde logo porque os jesuítas não são bispos", afirma José, que acrescenta: "Tenho um espanto pela força, autenticidade e novidade do Papa Francisco, que a cada documento nos acrescenta alguma coisa." Questionado sobre se Francisco é aquilo que se esperaria de um Papa jesuíta ou se surpreende mesmo, o provincial não hesita: "Surpreende por ser um Papa assim, agora como jesuíta surpreende por ele ir buscar tanta riqueza da mesma matéria que eu partilho: liberdade, autenticidade, seriedade, nenhum medo em assumir consequências e isso vem dos exercícios espirituais", noutra referência ao método de oração criado por Loyola. "Não tem Francisco medo de nada?", lanço. "Há uma palavra grega, parrésia, que significa "coragem de dizer". Não é uma liberdade balofa ou aventureira, é uma liberdade que nasce do espírito e da coragem de dizer porque deve ser dito", diz.

Zé Maria acaba a sobremesa e aproveita para dar também a sua visão de Francisco. "A informalidade e proximidade dele tem muita familiaridade com Deus. E também muito isto de nos trazer a lugares como este, de ir colocar esta periferia no centro das nossas preocupações e da nossa ação. Esta capacidade de desinstalar vem muito dos exercícios espirituais e consegue-se encontrar desde o modo como faz as homilias, como fala, aquilo que parece uma informalidade, que muitas vezes se podia confundir com superficialidade está enraizada nesta liberdade e na relação de proximidade com deus e que dá uma familiaridade na linguagem que é um bocadinho "tu cá tu lá" que revela uma profunda intimidade. É uma coisa que me toca e que me marca nesta forma de ele estar."

Bebemos café numa máquina. José Maria não tem moedas que cheguem para todos e finalmente posso pagar algo, pois a refeição foi gentileza do Centro Paroquial do Cristo-Rei. Acabamos a conversa a falar das divisões que surgem em relação ao Papa que sucedeu a Bento XVI, que se retirou em 2013.

"Parece que não é partilhado por todos o pensamento de Francisco. As plateias estão um bocadinho divididas. Quem entende que a Igreja tem um papel de estabilidade e conservação não aceita; mas quem entende que ou entra numa relação franca com o tempo presente e as vidas reais ou perde o pé, esses sim, partilham. Algures entre estas duas perspetivas a Igreja tem de encontrar o seu lugar e neste momento", conclui o provincial. "A sensibilidade do Papa é muito do que mediaticamente se percebe, porque é normal que a tensão e o conflito possam ter mais tempo de antena, mas acho que Francisco está em sintonia com uma boa parte do povo cristão.": remata Zé Maria.

Mais Notícias