Mortes no Reino Unido deixam Portugal em alerta

H1N1 matou dez pessoas em seis semanas e deixou várias internadas nos cuidados intensivos. Gripe no nosso país está a aumentar.

O Reino Unido registou dez mortes, em seis semanas, associadas à gripe A. Em Portugal, a actividade gripal ainda é reduzida, mas está a crescer com as temperaturas mais baixas. A Direcção-Geral da Saúde vai emitir uma nota entre hoje e amanhã, apelando à vacinação.

Apesar da baixa incidência da gripe, o Reino Unido já registou dez mortes provocadas pelo H1N1 e as unidades de cuidados intensivos têm um elevado número de doentes internados com problemas respiratórios. Situação que surpreendeu as autoridades de saúde daquele país. A Agência de Protecção da Saúde do Reino Unido revelou que metade dos mortos não tinha tomado a vacina.

O que se está a passar no Reino Unido está a deixar os restantes países da Europa em alerta. Incluindo Portugal, que começa a registar um aumento de casos de gripe. Ainda assim, de acordo com os dados do Instituto Ricardo Jorge, apenas um caso de gripe pandémica foi detectado no nosso País. Um cenário que pode mudar nas próximas semanas.

"O que está a acontecer no reino Unido pode acontecer em Portugal. Temos a vantagem de estarmos separados temporalmente deste tipo de acontecimentos duas a três semanas. Isto significa que temos de reforçar a nossa taxa de vacinação e que os profissionais têm de manter um nível elevado de suspeita perante casos de infecção respiratória grave e pedir a confirmação laboratorial da presença do H1N1. Em caso de dúvida deve avançar-se com a terapêutica", disse ao DN Filipe Froes, médico pneumologista.

Para o médico, o que está a acontecer no Reino Unido "mostra que ainda há muitas pessoas em risco de contrair a doença e algumas delas na sua vertente mais grave".

Razão pela qual no início desta semana a Direcção-Geral da Saúde emitirá uma nota sobre a gripe. "Iremos fazer amanhã [hoje] ou depois um alerta aos serviços para recordar que as pessoas devem vacinar-se e os cuidados de higiene que devem ter. O vírus permanece semelhante ao ano passado e é previsível que mantenha o mesmo comportamento", disse ao DN Graça Freitas, subdirectora-geral de Saúde, admitindo que possam acontecer algumas mortes provocadas pelo H1N1.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG