Maria de Belém quer "unidade e coesão do partido"

A nova presidente do PS, Maria de Belém, prometeu hoje no exercício do cargo usar a sua "magistratura moral" para promover a "unidade e coesão do partido".

"É chegada a hora de colocar todo o meu percurso de vida e o que eu sou em função da minha circunstância, a minha magistratura moral, como lhe chamam os estatutos do PS, na defesa da unidade e coesão do partido e no respeito pelos princípios e valores da sua declaração de princípios e do seu programa, tentando não desmerecer daqueles a quem sucedo", disse, numa intervenção que abriu o segundo dia de trabalhos do XVIII Congresso Nacional do PS, a decorrer em Braga. Maria de Belém salientou contudo que, apesar de lhe caber parcialmente enquanto presidente, a tarefa da "unidade e coesão" dos socialistas "deve ser entendida como uma responsabilidade partilhada".

"Não se impõe, constrói-se. E as construções humanas são tanto mais duráveis quanto mais percorridas pela boa vontade, boa fé e pelo empenho colectivo verdadeiro", observou. Evocando Almeida Santos e os que lhe antecederam no cargo, a antiga ministra da Saúde admitiu a "enorme responsabilidade" que lhe é confiada alicerçada numa "expressiva votação". "Valeu a pena agir sempre de acordo com a minha consciência, discordar quando tive que discordar, opinar quando tive que o fazer ou quando entendi dever fazê-lo e trabalhar no sentido de contribuir para o encontro de soluções comuns quando o interesse partidário o aconselhava ou quando o interesse nacional o exigir", observou.

Maria de Belém lembrou ainda a "encruzilhada" com que o país e o mundo estão confrontados, que impõem "realizações justas". "Se hoje eu perguntar ao vento que passa notícias do meu país e do meu país e do meu mundo, a resposta será inquietante. A incerteza, a insegurança e a desconfiança são as marcas que o caracterizam", referiu.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG