Mão pesada para homicidas de empresário da noite

O tribunal de Ponta Delgada condenou hoje a penas pesadas de prisão os dois homens acusados do homicídio do empresário da noite, Jorge Chaves. Um deles, de nacionalidade espanhola, foi condenado a 19 anos e 10 meses e o outro, natural de Ponta Delgada, a 18 anos e 10 meses pelo homicídio qualificado e ocultação do cadáver de Chaves, para além de terem de pagar uma indemnização de 180 mil euros aos pais da vítima.

Durante o julgamento, os dois homens não se assumiram como os autores do crime, indicando, no entanto, terem transportado e ocultado o cadáver, sendo que um deles (o natural de Ponta Delgada), ao identificar o local onde foi encontrado o corpo, teve atenuação de pena.

Todavia, o tribunal decidiu que, apesar de não se ter localizado a arma do crime, os dois atuaram em coautoria e de acordo com um plano conjunto para matar violentamente Jorge Chaves na sua casa, ocultar depois o cadáver e apropriarem-se do seu negócio no estabelecimento de diversão noturna Show Girls, nos arredores de Ponta Delgada.

Os advogados de defesa dos dois homens admitiram apresentar recurso da sentença.

Jorge Chaves estava desaparecido desde setembro de 2012. Tinha regressado à ilha de São Miguel após ter sido absolvido na repetição do julgamento do homicídio de José Gonçalves, seu ex-sócio no bar de striptease O Avião, em Lisboa.

Chaves, nascido em 1974 nos Açores e anteriormente emigrado nos Estados Unidos, foi acusado, preso e condenado a 22 anos de prisão, em 2011, pelo atentado à bomba que matou Gonçalves no seu carro, em finais de 2007. Porém, os juízes do Tribunal da Relação acabaram por não validar a fundamentação desta condenação, obrigando à repetição do julgamento que o haveria de ilibar, em 2012, dos crimes de homicídio qualificado, incêndio com conduta perigosa, posse de arma proibida e dano qualificado.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG