Mães de crianças com gripe não cumprem recomendações

A ministra da Saúde disse hoje ter tomado conhecimento de casos de mães de crianças infectadas com gripe A que recorrem às urgências em vez de ligar para a linha Saúde 24 "com o objectivo expresso de contagiar outras crianças".

A ministra estava a dar a habitual conferência de imprensa para fazer o ponto da situação da evolução da gripe A em Portugal quando apelou ao civismo dos cidadãos para ajudar a conter o vírus da gripe A.

Segundo Ana Jorge, há casos de adultos que não respeitam as recomendações dos profissionais de saúde e se recusam a colocar máscara quando são suspeitos de estar contaminados com gripe A. A ministra falou também de mães que dizem recorrer a locais onde estão crianças e outros adultos, como hospitais, "com o objectivo expresso de contagiar outras crianças".

"Tem havido casos graves em que o nosso dever é fazer todos os possíveis para que a disseminação não se faça ou se faça o mais lentamente possível", disse a ministra.

"Não podemos ser polícias. Não podemos prender as pessoas. Aquilo que estou aqui a fazer é tentar sensibilizar toda a sociedade portuguesa para que nos ajude a conter o problema", acrescentou.

Quando questionada sobre os casos específicos, Ana Jorge diz que houve uma mãe que disse "contagiaram a minha filha, por isso vou contagiar as crianças dos outros". Quanto aos adultos, houve "um ou vários adultos que se recusaram a usar a máscara quando lhes foi pedido por um profissional de saúde para colocar a máscara".

Dois infantários fechados e nove doentes hospitalizados

Ana Jorge confirmou que foram fechados dois infantários na sequência  de infecções com gripe A, um em Lagoa e outro em Alenquer, enquanto uma  creche em Armação de Pêra está "em avaliação" pelas autoridades, aguardando  uma decisão sobre se fecha ou não.

A ministra especificou que no caso de Lagoa há "nove crianças infectadas"  e que em Alenquer a doença foi detectada em "quatro crianças".

Actualmente há nove pessoas hospitalizadas mas que deverão ter alta  nos próximos dias, acrescentou a governante. Destas, o único caso com prognóstico  reservado é o da mulher de 30 anos que continua internada no Hospital de  São João, no Porto.

Quanto ao homem de 63 anos que também está internado no São João e cujos sintomas da gripe se manifestaram de forma mais grave, acumulados com uma doença pré-existente, já está "curado" da H1N1 e já teve alta dos cuidados intensivos, referiu Ana Jorge.

Nos próximos dias, os serviços de atendimento a casos suspeitos de gripe vão continuar a ser alargados à rede de cuidados primários por todo o país, conforme a evolução da doença o ditar.

Em Portugal registaram-se 53 novos casos de infecção nas últimas 24 horas, contabilizando-se 607 doentes desde o primeiro caso detectado, em Maio.

Destas seis centenas, "quase todas as pessoas já retomaram a sua vida diária", garantiu a ministra.

Questionada sobre as dificuldades de acesso à Linha de Saúde 24 (808 24 24 24) referidas pelo presidente do Centro Paroquial da Mexilhoeira da Carregação, onde foi encerrada uma creche, Ana Jorge afirmou que "já foi reforçada" e que o sistema de atendimento foi modificado há duas semanas.

A ministra reiterou o apelo para que as pessoas com sintomas de gripe contactem primeiro aquela linha antes de se dirigirem aos hospitais ou centros de atendimento.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG