Quatro anos após temporal, muitos ainda esperam casa

Quatro anos depois, algumas pessoas que ficaram desalojadas pelas enxurradas de 20 de fevereiro de 2010, no Funchal, manifestam revolta e desânimo, continuando a aguardar a prometida reconstrução das suas casas.

Paulo Alexandre, que vivia no sítio do Laranjal, Santo António, viu morrerem quatro pessoas da sua família quando uma grua caiu sobre o local onde se abrigavam. Hoje, diz que, passados estes anos, continua "a aguardar, mas não resolvem, nem decidem nada".

Naquele dia de fevereiro, estavam refugiados numa garagem vários moradores da zona. Quando se apercebeu que a grua ia cair, gritou e as pessoas começaram a sair, mas a sua família ficou.

"Quando chegou a vez da minha família sair, a grua deu em cima da garagem e matou-a", diz, emocionado, lembrando que "instantaneamente" morreram quatro pessoas.

Paulo Alexandre recorda ainda ter retirado a mãe "com vida, e mais duas meninas, mas foi muito complicado", realçando que apenas recebeu apoio da Cruz Vermelha.

"Isto não se esquece. Nem consigo viver aqui. Quando aqui estou, dá-me logo vontade de chorar", diz, acrescentando que já foi várias vezes à è empresa Investimentos Habitacionais da Madeira, mas a questão de atribuição de uma nova habitação "continua na mesma".

"Não há dinheiro que pague a vida da minha família, mas quero que se faça justiça, porque houve negligência da empresa [proprietária] da grua", sublinha, adiantando que o processo está a decorrer em tribunal.

Também na freguesia do Monte, várias famílias ficaram com as habitações destruídas pelas enxurradas e continuam à espera de uma casa, como são os casos das primas Maria José e Joana Martins e do mestre José.

"Continua tudo igual, não sabemos de nada", dizem Maria José e Joana Martins, que viram a sua habitação com cinco quartos ficar soterrada pelo entulho e foram realojadas numa casa dos guardas prisionais, onde uma diz dormir no chão.

As duas mulheres declaram que "já tentaram falar com o presidente do Instituto de Habitação, mas este recusa receber as pessoas afetadas pelo [temporal de] 20 de fevereiro", adiantando que "na Câmara do Funchal dizem sempre que não há dinheiro e faltam papéis".

"Foi-nos prometido que iam arranjar a casa. A promessa eram seis meses, veio dinheiro, onde está?", questionam, mencionando que desde aquela altura que não conseguem regressar à zona onde viveram.

Mestre José residia noutra zona do Monte, na Corujeira de Dentro, e também ficou sem a habitação e tem vivido desde o temporal num quarto na casa da sogra.

"Fez um ano em fevereiro que meti no tribunal uma ação contra a Câmara do Funchal, porque foi uma obra atrás da minha casa que causou toda esta situação e estou a aguardar que a justiça funcione", sublinha, garantindo que "nunca lhe arranjaram nada, nem deram habitação".

"A Lei de Meios funcionou durante algum tempo, mas só serviu para enterrar o dinheiro na Avenida do Mar", onde decorrem as obras do denominado aterro dos detritos do temporal, opina.

A Lei de Meios foi um diploma criado com o objetivo de dotar a Madeira com as verbas necessárias para recuperar as infraestruturas danificadas por aquela intempérie.

O temporal de 20 de fevereiro de 2010 na Madeira causou 43 mortos, seis desaparecidos, centenas de pessoas desalojadas e 1.080 milhões de euros de prejuízos, sendo as marcas da intempérie ainda visíveis em vários locais da ilha.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG