Madeira estuda "Condições de Vida e Rendimento"

A Direção Regional de Estatística da Madeira inicia hoje um "Inquérito às Condições de Vida e Rendimento" (ICOR) a 454 alojamentos familiares com vista a apurar a distribuição do rendimento, condições de vida e a exclusão social.

A diretora regional de estatística, Emília Alves, explicou à Lusa que com "este inquérito serão dados indicadores sobre a pobreza, e as condições de vida dos agregados familiares".

O ICOR é nacional e a recolha de campo será feita entre 17 de março e 19 de maio, "com referência aos rendimentos de 2013".

"Infelizmente, neste momento, a amostra que existe a nível regional não permite aferir dados regionais, ou seja, a operação é lançada a nível da região, mas para garantir a representatividade nacional, porque estamos a falar de indicadores, como a taxa de pobreza e indicadores de exclusão social que, na conjuntura atual, são bastante relevantes", especificou.

É um inquérito feito por amostragem, sendo que serão inquiridos, no todo nacional, 7.630 alojamentos familiares e na região 454 alojamentos.

A população a inquirir é o conjunto de todos os indivíduos que residem em alojamentos familiares de residência principal, por isso não está abrangida a população que reside em alojamentos coletivos e os "sem-abrigo".

Os custos com os inquéritos são suportados, na totalidade, pelo Instituto Nacional de Estatística, não permitindo maior número de amostragem.

De acordo com os dados, em 2013 o mesmo inquérito custou 13 mil euros, apenas na Madeira.

Emília Alves explicou que o "o primeiro contacto já foi feito a por carta de aviso com a finalidade de explicar os objetivos do inquérito, o interesse e a utilidade da informação a recolher", sendo considerada "uma operação de resposta obrigatória".

Esta recolha será feita por um grupo de nove entrevistadores devidamente certificados e identificados, "através de entrevista direta, presencial e assistida por computador".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG