Feridos no incêndio em túnel na Madeira têm alta hoje

Das 18 pessoas que deram hoje entrada no Hospital do Funchal na sequência do incêndio numa viatura ligeira num túnel da via rápida de Câmara de Lobos, seis permanecem na urgência, mas todos terão alta ainda hoje, disse fonte hospitalar.

Segundo o diretor deste serviço do hospital Dr. Nélio Mendonça, além das 17 pessoas que foram transportadas para aquela unidade de saúde esta manhã, pelas 16:15 "chegou mais um outro utente, um homem de 40 anos" que também esteve no local do incidente.

"Das pessoas que deram entrada, ainda estão no serviço de urgência seis, as restantes já tiveram alta", declarou Pedro Ramos, perto das 17:30.

O responsável adiantou que, "das pessoas assistidas, de várias nacionalidades, a mais idosa tem 88 anos e a mais jovem 27, mas todos deverão ter alta ainda hoje".

Quase todos os casos estavam relacionados com problemas do foro respiratório, devido à inalação de fumo, existindo apenas um de natureza ortopédica.

Pedro Ramos referiu que "não foi necessário acionar a câmara hiperbárica", porque os níveis de intoxicação não eram elevados.

O médico mencionou que, dos 17 doentes que chegaram ao hospital pelas 10:54, "dez foram do sexo masculino, sete do feminino, alguns estrangeiros, nomeadamente japoneses, ingleses e alemães". Doze "tinham prioridade muito urgente (laranja), quatro urgente (amarelo) e um pouco urgente (verde)".

Pouco depois das 10:00 de hoje, uma viatura ligeira incendiou-se no interior do túnel (com 942 metros) da via-rápida na zona da Quinta Grande, concelho de Câmara de Lobos, no sentido Funchal-Ribeira Brava, uma situação que afetou outros 40 veículos que ficaram retidos no local.

Os ocupantes conseguiram fugir do local com alguma dificuldade, porque, de acordo com vários relatos, o túnel estava sem iluminação, tendo o presidente do Serviço Regional de Proteção Civil, Luís Neri, admitido também que "o sistema de ventilação do túnel não estaria a funcionar" no momento em que a viatura se incendiou.

Confrontada com a situação, fonte da empresa concessionária da via rápida, a Via Litoral, informou que está a efetuar o apuramento do caso, remetendo para mais tarde esclarecimentos.

A circulação ficou normalizada ao princípio da tarde.

No local estiveram as corporações de bombeiros de Câmara de Lobos, da Ribeira Brava, da Calheta e as duas corporações do Funchal, uma viatura de intervenção rápida e a Polícia de Segurança Pública.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG