Cabeça de lista do PS defende auditoria externa à dívida

O cabeça de lista do PS às eleições legislativas da Madeira defendeu hoje a realização de uma auditoria externa à dívida da Região Autónoma, considerando que o Governo Regional do PSD "não merece confiança" para a efectuar.

"Auditoria sim, de preferência uma auditoria feita por gente séria e credível", afirmou Maximiano Martins, numa conferência de imprensa no Funchal.

Para o candidato, "a situação das contas da região só se conhecerá em toda a extensão no dia em que seja feita uma auditoria às contas públicas", sublinhando que "a dívida pública madeirense é de tal forma elevada que só é possível encarar a solução do problema quando, de uma vez por todas, se conhecer a real extensão".

No domingo, no encerramento da Festa da Liberdade, organizada pelo PS-Madeira, o secretário-geral do PS, António José Seguro, desafiou o primeiro-ministro a esclarecer quem vai pagar a "irresponsabilidade" do Governo Regional na gestão dos dinheiros públicos, quando a Madeira está na bancarrota.

"Esta pergunta - quem paga - é dirigida ao primeiro-ministro de Portugal. Quem paga a irresponsabilidade da dívida que existe aqui na Madeira, da exclusiva responsabilidade do seu partido, o PSD, aqui na Madeira?", questionou o líder socialista, referindo que a dívida da Madeira é de oito mil milhões de euros.

O cabeça de lista do PS às eleições regionais de 09 de Outubro acrescentou que, "em nome da clarificação, da transparência de informação ao cidadão essa auditoria terá que ser realizada", admitindo, contudo, que "o estado real do caos das finanças públicas" só será conhecido quando "se abrir os armários todos e deixar cair os esqueletos".

"Eu temo que isso seja feito mais a mal que a bem", admitiu o responsável, referindo que se o PS assumir a liderança do Governo Regional tomará a iniciativa de fazer a auditoria, na qual participará, assim como os "os serviços da administração regional".

Para o cabeça de lista socialista, "fazer a mal é aquilo que acontecerá com a 'troika'".

"É para todos certamente evidente que não haverá financiamento para as necessidades da região nos próximos tempos sem que a realidade total seja conhecida", declarou Maximiano Martins.

Em 2007, o PS, a segunda força política mais votada, obteve nas eleições regionais da Madeira 15,42 por cento dos votos e sete lugares no Parlamento Regional. O PSD, com 64,24 por cento de votação, conquistou 33 dos 47 deputados.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG