Loures contesta privatização da EGF

O presidente da Câmara de Loures, Bernardino Soares (CDU) anunciou esta segunda-feira que a autarquia interpôs uma segunda providência cautelar para tentar travar o processo de privatização da Empresa Geral de Fomento (EGF), depois da primeira ter sido indeferida.

A nova providência do município de Loures foi interposta no Supremo Tribunal Administrativo, juntamente com uma ação principal, disse à agência Lusa o presidente da autarquia.

Em causa está a oposição que os municípios têm vindo a manifestar quanto à privatização dos capitais estatais na EGF, uma 'sub-holding' do grupo Águas de Portugal, que integra 11 empresas concessionárias, responsáveis pela recolha, transporte, tratamento e valorização de resíduos.

O município de Loures, um das principais contestatárias do processo de privatização da EGF, está inserido na empresa de resíduos Valorsul, que serve 19 municípios da Área Metropolitana de Lisboa e da zona Oeste.

A primeira providência cautelar tinha sido interposta no final de março, mas viria a ser indeferida pelo Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa, que considerou que "ainda não tinham sido produzidos atos administrativos lesivos" para o Município de Loures.

"Entretanto, foi aprovado o caderno de encargos, iniciado o processo de concurso e, portanto, todos os atos administrativos estão hoje presentes e é possível contestá-los", explicou o autarca.

A argumentação do município de Loures assenta, essencialmente, na contestação às alterações dos estatutos das empresas que pertencem à EGF sem o aval dos municípios, que são acionistas, assim como à alteração da natureza do regime concessão.

"Se o Estado vier a alienar a sua participação este sistema deixa de ser multimunicipal. E com o desaparecimento do Estado deixa de existir concessão para o tratamento de resíduos, uma vez que essa concessão está atribuída a uma empresa multimunicipal", argumentou.

Nesse sentido, Bernardino Soares considerou que os novos argumentos apresentados são "sólidos" para poder convencer o tribunal a aceitá-los.

"Considero que são sólidos os argumentos que agora apresentamos e, por isso, a nossa expetativa é que eles sejam acolhidos pelo tribunal", afirmou.

A Lusa contactou o Ministério do Ambiente para obter uma reação à apresentação desta segunda providência cautelar pela Câmara de Loures, mas sem sucesso até ao momento.

Já em junho, o Governo anunciou que sete dos candidatos à privatização da EGF tinham reunido os requisitos para passar à segunda fase do processo.

Na mesma altura, o grupo Águas de Portugal (AdP), principal acionista da EGF, anunciou que apenas 12 municípios, de um total de 174, tinha aceitado vender as ações que detêm da empresa, no âmbito do processo de privatização.

A tutela perspetiva que o processo de avaliação das ofertas vinculativas para adquirir a EGF possa estar concluído a 31 de julho.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG