Gonçalo Amaral dispensa advogado

O ex-inspetor da Polícia Judiciária, Gonçalo Amaral, dispensou o advogado que o representava no processo em que é acusado de difamação pelo casal Kate e Gerry McCann. A juíza deu-lhe dez dias para contratar um novo.

Gonçalo Amaral entregou hoje, na 1.ª Vara do Tribunal Cível de Lisboa, uma revogação da procuração do seu advogado, o que atrasou o início do julgamento do processo de difamação interposto pelo casal McCann ao ex-inspetor da PJ.

A sessão de hoje do julgamento, que decorre no Palácio de Justiça serviu apenas para a juíza Emília Melo e Castro marcar novas datas - para 08 e 10 do próximo mês - depois de Gonçalo Amaral ter dispensado o seu advogado o que impediu que fossem proferidas as alegações finais como estava previsto.

No seguimento da nova marcação de audiências, no dia 08 haverá declarações das partes e alegações finais da advogada do casal inglês McCann e a sessão do dia 10 estará reservada para as alegações finais de Gonçalo Amaral.

O casal McCann tinha viajado de propósito para Lisboa para a sessão do julgamento de hoje.

Em causa está o processo em que os pais de Madeleine McCann pedem uma indemnização de 1,2 milhões de euros, por difamação, ao ex-inspetor da PJ Gonçalo Amaral.

As audiências do julgamento encontravam-se suspensas desde outubro do ano passado, para que o casal McCann chegassem a acordo extrajudicial com Gonçalo Amaral.

Como não existiu um acordo, num caso que motivou já o pedido de arresto de bens a Gonçalo Amaral como medida cautelar, foi marcado o reatamento das sessões.

Nesta ação, o casal McCann, que considera que foram violados direitos, liberdades e garantias da família, pede uma indemnização de 1,2 milhões de euros ao inspetor da PJ que investigou o desaparecimento de Madeleine, ocorrido a 03 de maio de 2007.

No livro "Maddie: A Verdade da Mentira", da autoria de Gonçalo Amaral, o ex-coordenador do Departamento de Investigação Criminal da Polícia Judiciária de Portimão defende o suposto envolvimento de Kate e Gerry McCann, no desaparecimento da criança e na ocultação de cadáver.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG