Ferreira Leite: "não disse que rasgaria políticas sociais"

A presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, afirmou hoje que quer fazer "transformações profundas" em clima de consenso, mas quanto às medidas sociais disse concordar com as que foram anunciadas por este Governo.

Em declarações aos jornalistas, a meio de uma sessão do "Fórum Portugal de Verdade", a decorrer num hotel de Lisboa, Manuela Ferreira Leite foi questionada sobre que políticas sociais pretende "rasgar" - expressão que utilizou há duas semanas referindo-se a "todas as soluções que têm estado a ser adoptadas em termos de política económica e social".

Hoje, a presidente do PSD afirmou que, em concreto, "rasgar, ninguém vai rasgar nada" e que, se vencer as eleições legislativas, quer "fazer transformações profundas, mas nunca em agressão às pessoas, nunca criando crispação na sociedade portuguesa, sempre em colaboração com as pessoas, com aquele consenso que é necessário para se fazerem transformações".

"É absolutamente essencial é que nós entremos numa fase de grande tranquilidade, a tranquilidade que leva a que as pessoas colaborem", defendeu Manuela Ferreira Leite.

Quanto à questão sobre as políticas sociais, respondeu: "Não há nenhuma medida anunciada por este Governo com a qual eu discorde. Eu nunca disse que rasgaria políticas sociais. Não há nenhuma medida a que o PSD se tenha oposto ou que tenha criticado sequer".

A presidente do PSD pôs, contudo, em causa a execução dessas medidas: "Critico que a maioria delas não tenha passado de anúncio, isso sim. Se as medidas que o engenheiro Sócrates anunciou tivessem execução na prática o país não estaria como está".

"O engenheiro Sócrates é um grande perito em anúncios. Eu não anuncio. Sendo responsável pelo Governo faço, executo. Vai ser essa a diferença", acrescentou.

Interrogada sobre, então, "o que é que o PSD vai rasgar", Manuela Ferreira Leite considerou que "rasgar é uma palavra que não tem sentido assim em pormenor".

"Rasgar, ninguém vai rasgar nada. De resto há um ponto que muito defenderei: é que as alterações às políticas que têm sido seguidas por este Governo - e que evidentemente muitas delas vão ter de ser alteradas porque estão a dar efeitos negativos e não positivos - sê-lo-ão feitas de uma forma cordata com as pessoas, sem agressões, sem crispação, em consonância com todos, em colaboração com todos", acrescentou.

Ainda quanto às políticas sociais, Manuela Ferreira Leite reivindicou ter sido "a primeira pessoa" a defender que estas eram necessárias "para a actual situação", quando foi eleita presidente do PSD, há cerca de um ano.

"As preocupações sociais do PSD toda a vida elas foram expressas. Pela parte desta direcção, foram expressas em primeiro lugar por mim, há muito tempo, e só posteriormente o engenheiro Sócrates veio atrás de mim e começou a perceber que tinha de anunciar medidas de natureza social", alegou.    

No dia 25 de Junho, durante um jantar com o grupo parlamentar do PSD, Manuela Ferreira Leite defendeu ser necessário um "novo modelo de desenvolvimento" e acrescentou: "Nós vamos repudiar todas as receitas que o PS tem estado a adoptar para o país"

"Nós vamos rasgar e romper com todas as soluções que têm estado a ser adoptadas em termos de política económica e social, para que tenhamos resultados diferentes", reforçou, na altura, a presidente do PSD.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG