Ex-ministros querem professores sem turmas a apoiar alunos

Roberto Carneiro e Maria de Lurdes Rodrigues mostram-se preocupados com aumento das retenções e consideram que usar os professores do sistema pode resolver problema.

O Conselho Nacional de Educação (CNE) quer que as reprovações sejam substituídas por uma aposta no apoio individual aos alunos em risco de chumbar. E os ex-ministros da Educação Roberto Carneiro e Maria de Lurdes Rodrigues concordam que a solução poderá passar por usar os todos os professores do sistema para fazerem esse trabalho.

"Tenho sempre defendido que não temos professores a mais, temos é alunos a menos. Os professores do sistema deviam ser reaproveitados para dar esse apoio aos alunos que têm dificuldades em aprender", aponta a ex-ministra socialista. Já o antigo governante do primeiro mandato de Cavaco Silva considera mesmo que esta é a altura ideal para se lidar com este problema. "Temos uma oportunidade agora com a quebra da natalidade; temos menos alunos e professores suficientes para poder apoiar individualmente quem tem dificuldades."

O apoio atempado dos estudantes do básico e secundário para evitar que anualmente 150 mil não passem de ano é uma das recomendações divulgadas na segunda-feira pelo CNE, presidido pelo também ex-titular da pasta da Educação David Justino. O órgão consultivo do Ministério da Educação alertou para o aumento das reprovações nos últimos anos e para os custos que este processo tem, tendo em conta que cada aluno que repete um ano repete também o investimento que o Estado faz (cerca de 4000 euros por aluno/ano).

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG