Espião do SIS acusado de se vender à Rússia e comprometer segurança da NATO e secretas

A investigação contra Frederico Carvalhão Gil, detido em Roma há um ano, sustenta a acusação dos crimes de espionagem, violação de segredo de Estado e corrupção, de que estava indiciado no âmbito da operação "Top Secret"

As secretas russas terão obtido através do espião do SIS (Serviços de Informações de Segurança), Frederico Carvalhão Gil, segredos dos sistema de defesa da NATO e listas com contactos de agentes, dirigentes e fontes dos serviços de informações nacionais. O agente português, que foi detido em Roma a 21 de maio de 2016, e se encontra em casa em prisão preventiva com pulseira eletrónica, vai conhecer a acusação do Ministério Público (MP), cujo prazo de conclusão termina esta quinta-feira. Espionagem, violação de segredo de Estado e corrupção são os crimes em causa e pelos quais Carvalhão Gil terá que responder em tribunal, no âmbito de um inquérito inédito no nosso país e, possivelmente no mundo, titulado pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e executado pela Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da PJ. O "cúmplice" russo, identificado como pertencendo aos quadros do SVR, a ex-KGB da antiga URSS, também será acusado pelo crime de corrupção ativa, uma vez que pagava a Carvalhão Gil pelo acesso aos segredos. O álibi apresentado pelo espião, segundo o qual os encontros com os russos se destinavam a tratar de um negócio de importação de azeite português para aquele país, não foi fundamentado.

As provas recolhidas ao longo do último ano permitiram confirmar, no entender dos investigadores, os piores receios: o espião traiu o país vendendo ao "inimigo" russo informações sobre a segurança nacional, a defesa da NATO e sobre as secretas portuguesas, comprometendo estes sistemas e entidades. Tudo terá começado desde, pelo menos, 2011, com encontros em quase duas dezenas de países, e as informações de Carvalhão eram consideradas de qualidade e bem pagas - uma média de 10 mil euros por "pacote". Era esse o valor que tinha com ele quando foi detido, em Itália, quando se encontrava com o seu cúmplice da SVR, as secretas externas da Federação Russa. O material apreendido ao agente russo, Sergey Nicolaevich Pozdnyakov, ajudou também a sustentar a convicção dos investigadores sobre a espionagem.

A dimensão do prejuízo que pode ter causado à credibilidade do país e à própria segurança da NATO é considerada "incalculável" e os investigadores estão cientes da dificuldade de fazer a prova deste impacto em tribunal. Sabem o que têm em mãos: dezenas de documentos com classificação de segurança de interesse para o governo de Vladimir Putin, valores apreendidos, contas bancárias passadas a pente fino, vigilâncias e escutas. Sabem que Carvalhão Gil extraiu do SIS relatórios secretos, que não podiam ter saído do serviço, e que os tinha em sua casa, violando o segredo de Estado.

Entre eles, noticiou a revista Sábado, relatórios sobre exercícios da NATO - foi representante do SIS em várias reuniões de preparação destas operações que serviam para identificar vulnerabilidades - expondo o sistema de Defesa da Aliança. Foram também encontrados na sua casa e, possivelmente, na posse de Pozdnyakov, listas de funcionário e fontes das secretas portuguesas, com respetivos contactos e perfil, incluindo de dirigentes e ex-dirigentes. "Não há dúvidas sobre o interesse do SVR em tudo isto, principalmente sobre a segurança da Aliança Atlântica. Conseguiram com esta toupeira, de um país aliado da NATO, uma "porta" para espiar todos os movimentos", afirma uma fonte que acompanha o caso.

A investigação já estava bastante consolidada quando as autoridades portuguesas decidiram avançar no terreno com a "Operação Top Secret", que culminou com a detenção dos dois espiões. Nesta altura o inquérito do DCIAP e da UNCT decorria há seis meses e nas secretas portuguesas, depois da informação de uma agência congénere dar conta de um encontro "discreto" nesse país entre o espião português e o russo, foram tomadas medidas de controlo apertadas e as certezas da traição ganhando volume.

Ao ponto de constatarem que falhas em operações de contraespionagem, relacionadas com os serviços russos no nosso país, se deveram mesmo a fugas de informação cujo autor só poderia ter sido Carvalhão Gil.

O secretário-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP) garantiu por isso, num encontro com jornalistas, em junho de 2016 que "após um período de averiguações internas, desencadeadas por terem sido detetados indícios de comprometimento de atividade operacional na área da contraespionagem, e do apoio prestado pela cooperação internacional, recolheram-se elementos seguros sobre a realização de encontros clandestinos no estrangeiro entre um funcionário do SIS e um outro de um serviço de informações estrangeiro", disse".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG