Empresário há dez horas no chão em protesto

Um empresário de Gondomar está deitado no chão desde a manhã de hoje, quinta-feira, à porta da Bosogol, em Leiria, a reclamar cerca de 37 mil euros.

Carlos Pinto, proprietário da Anettconstrói, empresa do setor da construção civil, está deitado em frente a um dos portões de saída da empresa Bosogol, em Parceiros, Leiria. Em declarações à agência Lusa, o empresário explicou que a Bosogol, do setor da construção civil, lhe deve 37 mil euros. "Não tenho dinheiro para pagar aos meus funcionários, tenho dívidas para com a Segurança Social e Finanças e o banco já não me empresta mais dinheiro", contou, deitado no chão. O empresário afirmou que trabalhou para a Bosogol, como sub-empreiteiro durante cerca de quatro meses: "Como não pagavam não fiz mais trabalhos".

Para Carlos Pinto o recurso aos tribunais é uma "perda de tempo" e exemplificou com um processo que tem a decorrer contra outro devedor, que "dura há sete anos". Esta ação do empresário é o último recurso. "Cheguei ao limite. O meu gestor de conta já não me empresta mais dinheiro. O cartão de crédito já ultrapassou em muito o plafond e tenho 16 funcionários a quem já não paguei o mês de janeiro", revelou. Segundo Carlos Pinto, esta dívida já o obrigou a "tirar dinheiro" de sua casa para "meter na empresa". As tentativas para liquidar a dívida já foram muitas.

"Ligo para a empresa e dizem que o administrador não está e que também estão a passar por dificuldades. Mas eu não posso dizer isso ao fisco ou à Segurança Social", disse. O director financeiro da empresa conversou com Carlos Pinto e transmitiu-lhe que o administrador da Bosogol iria recebê-lo ainda hoje. Vários populares têm tentado alertar Carlos Pinto para o frio da noite. Um cobertor e uma almofada foram deixados ao lado, mas só após muita insistência é que o empresário permitiu ser tapado. O administrador da Bosogol, António Vieira, confirmou à agência Lusa uma dívida de cerca de "35 mil euros", mas que não pode pagar.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG