"Educadoras pedem a colaboração voluntária dos pais"

Entrevista a Liliana Marques, vice-presidente da Associação de Profissionais de Educação e Infância

Desde 2011 que o ministério apoia o pré-escolar com verbas que vão dos 16 aos 18 euros anuais por aluno para os materiais do ano inteiro. Esta é uma verba gerível atualmente?

Liliana Marques - Na verdade, o valor não é o ideal. É um valor que, como refere, já é o mesmo há vários anos e tem havido inflação. O que acontece é que, muitas vezes, as educadoras pedem a colaboração voluntária dos pais e conseguem colmatar essa falha com a ajuda deles. Os materiais para a educação pré-escolar são muito caros, sobretudo se queremos oferecer materiais de qualidade.

Que tipo de materiais podem ficar caros ao longo do ano?

Liliana Marques - Se quisermos comprar lápis de cor de qualidade, lápis de cera de qualidade, marcadores... Por exemplo, o próprio papel, com diversos tamanhos, texturas, que dê possibilidade de as crianças experimentarem materiais diversos, torna-se bastante mais caro. Se formos comprar aquele material mais básico, as crianças não têm as mesmas oportunidades de exploração e de desenvolvimento, nomeadamente na expressão plástica. E os materiais para a expressão musical também são caros. Para além dos jogos didáticos e dos livros, que também são bastante caros, sobretudo se forem bons.

Leia mais no e-paper ou na edição impressa do DN

Mais Notícias

Outras Notícias GMG