Digilow responsabiliza site 'KuantoKusta' pelas queixas

A Digilow, empresa de comércio online acusada por dezenas de consumidores de não entregar os produtos nem devolver o dinheiro, nega as acusações e lança as culpas para o site de comparação de preços 'KuantoKusta'.

Várias dezenas de pessoas queixam-se de terem feito compras na Digilow ou outras empresas do grupo, como a GrandeM@rca ou a Eletropt, e de não terem nunca recebido o produto comprado nem terem conseguido ter a devolução do dinheiro.

Por escrito, o sócio-gerente da Digilow começou por dizer à Lusa que muitas das reclamações que existem na internet são falsas ou já estão resolvidas há largos meses.

João Saraiva sublinha que a empresa tem três anos de atividade, "entregou sempre todas as encomendas ou reembolsou todos os clientes" e que as queixas que começaram a surgir desde há alguns meses têm como responsabilidade o site comparador de preços 'KuantoKusta'.

Segundo o responsável, a Digilow investiu cerca de 41 mil euros no 'KuantoKusta', uma forma de publicidade que trazia aos sites da Digilow "cerca de 90%" do total de clientes.

"Em novembro de 2013, somos surpreendidos, sem qualquer aviso prévio que esta empresa não iria mais publicitar os nossos produtos no nosso site, sem qualquer justificação plausível", diz o responsável.

O sócio-gerente da Digilow atribui a atitude a "outros interesses obscuros", já que, segundo o responsável, a própria empresa que detém o site 'KuantoKusta' tem sites de venda ao público.

Diz mesmo que a empresa que detém o 'KuantoKusta', Paginadotcom, funciona em cartel e favorece terceiros em proveito próprio.

Responsabiliza o 'KuantoKusta' pela quebra nas vendas e adianta que já agiram judicialmente contra o site "pelos prejuízos irreversíveis causados, tanto em vendas, como na imagem da empresa".

"Não existe qualquer tipo de burla, apenas um atraso por termos sido surpreendidos por esta sabotagem repentina ao nosso negócio", acrescenta.

Contactados os responsáveis pelo site 'KuantoKusta', a resposta escrita é a de que "nada tem a ver com a situação de incumprimento em que a Digilow se encontra perante os seus clientes".

"A tentativa de imputar qualquer responsabilidade à nossa empresa é totalmente infundada e falsa, motivo pelo qual já nos encontramos a diligenciar no sentido de apresentar a competente queixa-crime contra a Digilow", indicou um responsável da empresa.

Paulo Pimenta esclarece que o 'KuantoKusta' alertou a Digilow depois de ter recebido "inúmeras queixas" de consumidores e que solicitaram o cumprimento dos seus compromissos "sob pena de não poderem continuar a utilizar o site".

"As queixas continuaram a surgir diariamente e os avisos à Digilow continuaram a ser feitos, até ao momento em que fomos obrigados a agir: assim que a Digilow ficou sem saldo na sua conta corrente, foi comunicado à mesma que o 'KuantoKusta' não iria mais promover os seus produtos", adianta.

O responsável explica que as lojas que queiram estar no site "devem carregar uma conta corrente" e que "é descontado um valor por cada clique efetuado por um utilizador que o leve para o site da loja que criou a conta corrente".

"Quando as lojas ficam sem saldo, o seu catálogo fica inativo, deixando de serem divulgados os seus produtos até ser efetuado um novo carregamento", explica, acrescentando não existir qualquer contrato de fidelização.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG