'Deus tem uma mão em cima do Gustavo e ele vai vencer'

Carlos e Mónica Martins não escondem que vivem desolados desde que descobriram que o seu filho Gustavo, de três anos, precisa de um transplante de medula óssea para continuar a viver. Mas acreditam na força dele e sabem que "vai vencer esta luta".

Numa grande entrevista à RTP, emocionados, o jogador da Selecção Nacional e a mulher falaram da descoberta da doença de Gustavo, da dor que sentem, mas também de todo o apoio que têm recebido a nível mundial desde que o internacional português que joga no Granada (Espanha) fez um apelo para encontrar um dador compatível com o seu filho. E de esperança, falaram de muita de esperança.

Assumindo-se como um homem de fé, Carlos Martins tem a certeza que "Deus está lá em cima e tem a mão em cima do meu filho para ele vencer esta luta". Este pai não tem (ou não quer ter) a menor dúvida de que isso vai acontecer. "[O Gustavo] é um super-herói que tenho ali, com uma força enorme. E vai vencer".

Carlos diz que, de há uns tempos para cá, a vida da sua família "tem sido complicada". Para aliviar a dor desabafou com a família, os amigo e os colegas, tanto da selecção como do Granada. Recordando o Portugal-Bósnia, Carlos Martins emociona-se: "Não vou esquecer o calor e a força que eles (os companheiros de equipa) me transmitiram para levar isto para a frente". Referia-se naturalmente às palavras de solidariedade proferidas no final do encontro, nomeadamente pelo técnico, Paulo Bento, e de Cristiano Ronaldo.

A decisão de continuar a jogar numa altura tão difícil da sua vida, tem a ver precisamente com o filho para quem, como diz Mónica Martins, o "pai é o seu ídolo". E por isso, adora vê-lo jogar e quer jogar como ele. Mas não pode, não agora que está doente. Os pais temem que uma simples queda deixe o Gustavo cheio de nódoas negras. Foi assim que começaram a detectar que algo de errado se passava com o filho. "Ele caia e ficava logo com hematomas, o que não é normal", diz Mónica, acabando, numa ida ao médico,. por descobrir que o Gustavo precisa urgentemente de um transplante de medula óssea par continuar a viver. Gustavo tem mais dois irmão mas nenhum é compatível. E as probabilidades de se encontrar um dador compatível são de uma em cada cem mil. Mais os pais estão crentes.

E agradecem aos dadores de todo mundo que já deram o seu contributo para salvar o filho e outras crianças que estejam na mesmo situação que Gustavo. "Felizmente a minha profissão permitiu-se fazer o apelo e receber esta onda de solidariedade", reconhece Carlos Martins, assegurando que "foram poucas as vezes que usei o facto de ser conhecido para fazer um apelo destes. Mas, neste momento, vou até onde for preciso para ajudar o meu filho a vencer esta luta". E renova o apelo para que toda a gente dê sangue para que o seu filho e pessoas com problemas semelhantes possam continuar a viver.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG