Comunidade portuguesa na Austrália lança petição

A comunidade portuguesa em Sidney lançou uma petição contra a remoção de um mural de azulejos criado por um artista português na sequência da construção de um empreendimento imobiliário.

"A ideia da petição é fazer pressão para que o mural fique lá ou, se não ficar lá, pelo menos que se ouça a comunidade para saber qual o melhor sítio para se colocar este mural. Mas, à partida, as pessoas querem que permaneça no local", referiu Cátia Nunes, criadora da petição

O documento - https://www.change.org/p/petition-to-clr-mark-gardiner-mayor-of-marrickville-save-petersham-"s-mural# - foi criado há três dias e já tem mais de 400 assinaturas.

"Estamos com a esperança que chegue às mil assinaturas até ao dia que supostamente será tomada uma decisão em relação ao empreendimento na câmara de Marrickville, uma espécie de junta de freguesia que engloba o bairro português, no dia 11 de novembro", sublinhou.

Cátia Nunes referiu que o mural, inaugurado em 2002 pelo então Presidente da República Jorge Sampaio, é uma obra do artista português Luís Geraldes, residente na Austrália.

Intitulado "Mundo frágil em constante expansão", o mural tem 30 metros de comprimento por três metros de altura e é constituído por oito mil azulejos tradicionais e, segundo a portuguesa, seria muito difícil a sua remoção para outro local.

A obra, que levou 14 meses para ser concluída, tem um grande significado cultural, social e emocional para a comunidade portuguesa de Petersham, bairro de grande concentração de comércio e residentes portugueses.

De acordo com Cátia Nunes, para o local existe um projeto de construção de um edifício com 34 apartamentos e algumas lojas.

"Fiquei a saber, há mais ou menos uma semana, através da cônsul portuguesa em Sydney que iria ser construído um edifício no sítio onde está este mural. Como muitas pessoas estavam insatisfeitas com a situação, falou-se numa petição", rematou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG