Comandos. Exército abriu inquéritos disciplinares a dois oficiais instrutores

Dois militares morreram e nove foram internados nos primeiros dias do 127º Curso dos Comandos, que se iniciou em setembro

Dois oficiais instrutores dos Comandos estão a ser alvo de processos disciplinares devido aos indícios recolhidos pelo Exército. Numa nota oficial, foi anunciada esta quinta-feira que o inquérito interno às duas mortes no curso de Comandos, iniciado em setembro, permitiu identificar "indícios da prática de infração disciplinar" que resultaram na "abertura até à presente data de dois processos disciplinares".

O DN soube que os militares em causa são dois oficiais instrutores, que passaram a ser arguidos no âmbito do processo de averiguações que o Exército está a realizar. Fica por confirmar se um deles será o médico que acompanhava o curso, na medida em que também pode ser considerado instrutor.

Na nota oficial do Exército lê-se o seguinte: "Na sequência dos processos de averiguações instaurados no âmbito do 127º Curso de Comandos e tendo-se apurado nos mesmos indícios da prática de infração disciplinar, foi determinada a abertura até à presente data, de dois processos disciplinares pelo Comandante das Forças Terrestres".

Este processo interno de averiguações do Exército decorre em paralelo com o que está a ser realizado pelo Ministério Público, através da Polícia Judiciária Militar, do qual ainda se desconhecem quaisquer resultados.

Esta terça-feira, na visita que a Comissão parlamentar de Defesa efetuou ao Regimento de Comandos (Serra da Carregueira, Sintra), o chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, reafirmou que iria "agir em conformidade" com os resultados das investigações.

"Temos a certeza de que os portugueses vão acreditar e confiar nos Comandos. Eu estou seguro, o Exército é uma instituição credível que se rege pelos padrões institucionais. Neste caso concreto são situações anómalas, vamos corrigir o que tiver de ser corrigido e com certeza os portugueses perceberão", sublinhou Rovisco Duarte.

O 127º curso iniciou-se no Campo de Tiro de Alcochete a 4 de setembro, quando a temperatura rondava os 40 graus. Logo nesse dia morreu um dos instruendos, Hugo Abreu, de 20 anos. Dylan Araújo da Silva, também de 20 anos, foi internado no Hospital do Barreiro, e viria a falecer uma semana depois, devido a falência hepática.

Um "golpe de calor" foi apontado como a causa das mortes, bem como do internamento de outros nove militares nos três dias seguintes.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG