Família do bombeiro com acompanhamento psicológico

A família do bombeiro que hoje morreu no combate ao incêndio em Figueiró dos Vinhos está já a receber acompanhamento psicológico, disse à Lusa o presidente daquele município, Rui Silva.

"Já se encontra uma psicóloga a prestar todo o apoio necessário à família do bombeiro que hoje morreu ao serviço do concelho", informou o autarca social-democrata.

O bombeiro voluntário, que prestava serviço na corporação de Figueiró dos Vinhos há 19 anos, estava na casa dos 50 anos e era funcionário de uma divisão de obras da Câmara de Figueiró dos Vinhos.

Rui Silva prestou as declarações à Lusa minutos depois de se ter deslocado à residência da família para a informar do falecimento do bombeiro.

"É um dia muito negro para Figueiró dos Vinhos, mas todos temos de saber enfrentar as adversidades. Tenho que deixar uma palavra de ânimo aos bombeiros e reforçar os pêsames a toda a família deste profissional que morreu ao serviço de Figueiró", disse o autarca.

Também à Lusa, o presidente da direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Figueiró dos Vinhos, Filipe Silva, lamentou o "grande choque" que foi a morte do bombeiro, que agora "desmotiva e desmoraliza toda a corporação".

"Não há palavras para descrever esta tragédia", disse.

Ainda assim, Filipe Silva assegurou que "para já a prioridade é extinguir o incêndio", salvaguardando que é "preciso cabeça fria para reagir e dominar o incêndio".

O fogo, que teve início às 15:00 na localidade de Azeitão, consome floresta em duas frentes. Pelas 18:50 estava a ser combatido por 254 operacionais e contava com o auxílio de 70 veículos, dois aviões e dois helicópteros, de acordo com a página da Internet da Proteção Civil.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG